Lula e o novo (velho) fantasma do comunismo

"Não podemos mais aceitar que em plena pandemia novos bilionários sigam aumentando seus lucros enquanto a maioria das pessoas passa fome", escreve Luiz Padulla

www.brasil247.com -
(Foto: Ricardo Stuckert, site do PT)


Em época eleitoral, nada mais comum do que as táticas ardilosas da direita nazifascista em propagar suas “fake news”. Essa é uma estratégia que visa confundir e causar o medo na população, com o objetivo único de criar um “inimigo comum” para sua sobrevivência – uma vez que se mostram incapazes de apresentarem uma política voltada aos interesses públicos.

Em 2018, redes sociais e correntes do WhatsApp divulgaram a inacreditável “mamadeira de piroca”, associada ao “kit gay” e outros absurdos. Mais do que angariar votos de inocentes e analfabetos úteis, permitiu a desinformação e a eclosão de um ódio irracional à esquerda – e, piorando a situação, deu voz e oportunidade para que nazifascistas saíssem do submundo da sociedade, tendo na figura de Bolsonaro, sua representatividade.

Mas isso não é novidade. Desde a polarização entre EUA e URSS, o imperialismo estadunidense tenta desestabilizar a ascensão do socialismo através do medo, o que desperta, automaticamente, a reação natural de defesa em qualquer pessoa. O problema é que antes de acreditar em qualquer informação, é preciso consultar a veracidade da mesma, estudar. Em 1959, quando os cubanos promoveram a brilhante revolução, enfrentaram esse tipo de tática. Era comum, por exemplo, aviões dos EUA sobrevoarem a ilha despejando folhetos alertando a população do “perigo do comunismo” e dos “guerrilheiros assassinos”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No Brasil, não foi diferente. Em 1964, como sempre com a mão dos EUA, o golpe militar usou também a “ameaça comunista” como alternativa para desestabilizar a recente democracia e impor o regime assassino e ditatorial, tendo inclusive o apoio de parte da igreja e da sociedade.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Mas afinal, há uma real ameaça do Comunismo?

Em primeiro lugar, é preciso entender o que é o Comunismo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Comunismo é uma ideologia política e socioeconômica que pretende estabelecer a abolição da propriedade privada, das classes sociais e do próprio Estado, tendo o Socialismo como uma etapa inicial. No entanto, a pergunta que faço: qual país é (ou foi) verdadeiramente comunista? Nenhum! Nem Cuba, nem Venezuela, nem China, muito menos a Coréia do Norte! Todos esses apresentam a presença forte – e necessária – do Estado.

Muitos podem argumentar também que são países “atrasados”, em especial quando se fala de Cuba e Venezuela, mas não enxergam que isso se deve justamente pela influência do capital – leia-se imperialismo estadunidense – que, na tentativa de difamar e desestabilizar, impõe políticas desumanas de sanções econômicas contra qualquer país que queira manter relações com esses governos. Cuba resiste até hoje por conta de sua soberania e defesa do próprio povo cubano, que defende o regime socialista. Cuba é o exemplo claro de que o socialismo deu certo. Resta, portanto, aos interesses capitalistas, isolarem e tentarem destruir o que coloca em risco seus interesses.

Cria-se, dessa maneira, um discurso raso, mentiroso, mas que ainda assusta a grande parcela da população. Esses discursos são fundamentados pela burguesia que, mais do que detentora dos meios de produção, enriquecem com a mercantilização da força dos trabalhadores e trabalhadoras, explorando e precarizando o trabalho, agora também é uma burguesia de mercado imobiliário que concentra terras, aumentando os conflitos no campo e em territórios indígenas, sendo responsável direta também pelos desmatamentos, incêndios criminosos e destruição do ambiente – o que impacta também da desestabilização do equilíbrio ambiental, potencializando a contaminação com agrotóxicos na água, nos alimentos e, consequentemente, também acelerando as mudanças ambientais.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Hoje, com todo acesso às informações – nem sempre acessadas! – está cada vez mais difícil que essas mentiras se sustentem. No entanto, com apoio das mídias hegemônicas e tradicionais, que respondem aos interesses do capital, o espaço que ocupam ainda é grande. Em recente pesquisa, divulgada em dezembro pelo instituto Datafolha, afirma-se que 44% dos brasileiros e brasileiras “temem o comunismo no Brasil”. E o desgoverno, utilizando-se dessas armas, segue propagando a “ameaça comunista”, como fez recentemente a ministra (sic) (Doi)Damares em suas redes sociais ao projetar um mapa da América Latina e os “países tomados pelo comunismo”.

Ora, já sabemos que nunca houve um único país comunista. Hoje, as chances disso acontecer são mínimas. Novamente digo: o Estado é fundamental para o acesso às oportunidades e necessidades básicas!

Tentar jogar essa mentira, ainda mais no Brasil, é mais do que desfaçatez, é uma ignorância sem tamanho. Acusar a esquerda brasileira – partidária! – de ser comunista, é outro descabimento. Por mais que PT, PSOL, PCdoB e cia sejam de vertentes esquerdistas, não passam nem perto de qualquer tentativa comunista. O que nós esquerdistas defendemos e exigimos dessas representações partidárias, são políticas públicas voltadas para programas sociais, distribuição de renda, oportunidades igualitárias. Justiça social. Esse é nosso objetivo. Essa é nossa luta para que, quem sabe, com a educação de base e consciência de classe, possamos migrar para um sistema socialista não apenas nacional, mas mundial.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Afinal, não é mais possível e admissível que 1% da população continue a surfar nos lucros gerados pelos verdadeiros trabalhadores. Não podemos mais aceitar que em plena pandemia, em meio ao caos sanitário e econômico, novos bilionários surjam e sigam aumentando seus lucros enquanto a maioria das pessoas passa fome, está desempregada sem um lugar digno de moradia. Lutamos contra isso. Não aceitamos que o capitalismo lucre e prevaleça sobre a vida.

Sabemos que o capitalismo, por si só, não será derrubado totalmente. No entanto, ao mostrar mais uma vez sua fragilidade – evidenciada com a pandemia, que gerou ainda mais fome, desigualdades sociais e a necessidade urgente da presença do Estado – ficou evidente que apenas um regime político realmente socialista poderá ser a alternativa para a humanidade.

Lula não é apenas a representação de uma possibilidade representativa da esquerda. Mais do que uma ideia, é o golpe para destruir o nazifascismo e fortalecer a democracia. Lula é algo que já deu certo e sabe como fazer. E como ele mesmo diz, quer fazer mais. E isso, indiscutivelmente, deve passar pela atenção às bases, pelo fortalecimento do povo. O medo que tentam imputar a Lula, não será mais forte que a memória afetiva das pessoas. Lula será a alternativa para que possamos efetivamente lutarmos pela revolução social. Essa é nossa expectativa e esperança.

Assim, com todos os problemas e caos, enquanto o comunismo não passa de um fantasma, o verdadeiro monstro que segue destruindo as vidas é o capitalismo e suas políticas neoliberais lesa-pátria. A informação é nossa arma mais importante. A verdade derruba mitos, e derrubaremos mais esse!

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email