Lula mantém dianteira. Agora são ‘choices’

Agora, a candidatura do ex-presidente presidente entra numa fase crucial de escolhas. Num primeiro bloco está o boicote a 2018, caso haja interdição judicial. Vai dar em Lula condenado, preso, cassado, o PT rifado do Congresso Nacional e duas ou três candidaturas de esquerda arrastando a sua base de classe média

Agora, a candidatura do ex-presidente presidente entra numa fase crucial de escolhas. Num primeiro bloco está o boicote a 2018, caso haja interdição judicial. Vai dar em Lula condenado, preso, cassado, o PT rifado do Congresso Nacional e duas ou três candidaturas de esquerda arrastando a sua base de classe média
Agora, a candidatura do ex-presidente presidente entra numa fase crucial de escolhas. Num primeiro bloco está o boicote a 2018, caso haja interdição judicial. Vai dar em Lula condenado, preso, cassado, o PT rifado do Congresso Nacional e duas ou três candidaturas de esquerda arrastando a sua base de classe média (Foto: Leopoldo Vieira)

Nova pesquisa da CNT/MDA mostrou que o ex-presidente Lula se mantém na dianteira de primeiro e segundo turnos, apesar não só da condenação por Sérgio Moro como do depoimento - com vistas à delação - de Antonio Palocci.

Consolidado na segunda colocação, o deputado Jair Bolsonaro, inclusive nos quesitos “único em que votaria” e lembrança espontânea.

Dória Jr. segue o “tucano” melhor posicionado.

Sem Lula na disputa, brancos/nulos mediam 40%, pois se soma os que votariam apenas nele e os do campo oposto ainda indecisos.

Rejeições de 50% para lá e acolá, uma alimentando a outra.

Agora, a candidatura do ex-presidente presidente entra numa fase crucial de escolhas.

Num primeiro bloco está o boicote a 2018, caso haja interdição judicial. Vai dar em Lula condenado, preso, cassado, o PT rifado do Congresso Nacional e duas ou três candidaturas de esquerda arrastando a sua  base de classe média. Apostamos que boa parte da formada pelos mais pobres migrará para Bolsonaro.

Não serve nem como ameaça. Só o partido perde. Ah e a democracia etc,mas este é um raciocínio (e um wishful thinking) interno.

Também neste bloco encontra-se a “guerra”. Uma ilusão que deve fazer a fantasia de meia dúzia de militantes febris pelos 100 anos da Revolução Russa.

Num segundo bloco,  o aproveitamento deste quadro eleitoral apesar de toda a diversidade dele.

Iniciar ostensivamente um esclarecimento à sociedade, aos sensatos das cortes judiciais, das Forças Armadas, da imprensa, das corporações públicas, da intelectualidade, do sistema político  e do mercado sobre os riscos da interdição de Lula.

Por causa da guerra e do boicote? Não, por causa da ascensão consistente do extremismo, do populismo radical de direita.

Orientar os lulistas lato sensu a deixarem o garantismo anunciado por Raquel Dodge em paz, erga omnes, ao invés de começar uma cobrança para que ela aplique as regras de Janot só contra Michel Temer e ao PSDB.

Começar uma interlocução com agentes importantes da economia para se chegar em soluções exequíveis e mediadas em torno de:

  • Como equacionar o déficit primário sem estourar ainda mais o risco de calote da dívida?
  • Como mediar a reinclusão dos mais pobres no orçamento com o Novo Regime Fiscal (PEC do Teto de Gastos)?
  • Como financiar a urgente retomada da geração de empregos e investimentos em infraestrutura e ir superando a crise fiscal concomitantemente?
  • Como conciliar as reformas que o mercado considera importantes com a promoção de direitos aos trabalhadores?

A lista é livre para mais temas.

Como diz Tatianna, em RuPaul’s Drag Race: choices.

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Ao vivo na TV 247 Youtube 247