Lula precisa liderar nas ruas, com o povo

"O povo espera Lula para, em conjunto, realizar a revolução democrática que o país precisa e a história exige", escreve a colunista Carla Teixeira



Em manifestações populares de grande amplitude, as lideranças são necessárias não apenas para “falar com as massas”, mas também para expressar a palavra de fé pública que traduz as aspirações coletivas. Como apontou Antonio Gramsci, o líder “demagogo” (em sentido negativo), constrói um deserto em torno de si ao colocar-se como insubstituível, eliminando possíveis concorrentes. Por sua vez, o líder político de grande ambição suscita o estrato intermediário entre si próprio e a massa, produzindo “concorrentes” e iguais que elevam a capacidade coletiva para a construção de elementos que possam substituí-lo na função de líder. Sob tal perspectiva, nossa história recente traz importantes lições.

As “Diretas Já!”, em 1984, mostraram a importância das lideranças políticas (algumas teriam destacada atuação para a aprovação da Constituição Cidadã, em 1988) e o problema de se definir pautas pontuais para grandes manifestações populares. A campanha pelas Diretas foi massiva e impressionante, mas restringia-se à aprovação das eleições diretas para presidente da República. Como se tratava de um movimento de massa não revolucionário, quando o Colégio Eleitoral (dominado pelos interesses da Ditadura Militar e das forças mais conservadoras e reacionárias do Brasil) não aprovou a Emenda Dante de Oliveira, restou apenas chorar e ir pra casa. As manifestações populares de massa terminaram e então seguiu-se a “transição transada”, “pelo alto”, conciliadora e acomodada.

Por sua vez, os grandes atos de 2013, tomados de assalto pela direita-verde-amarela, podem ser valiosas lições sobre os riscos de movimentos populares sem lideranças estabelecidas e sem pautas amplas definidas. Tão logo as manifestações cresceram, a Rede Globo de televisão interrompeu sua novela de maior audiência para mostrar o Congresso Nacional tomado por manifestantes. Aquilo que poderia ter significado um aprofundamento democrático, com a ampliação da cidadania, tornou-se motor para um movimento de retrocesso político, econômico, cultural e social que hoje acumula centenas de milhares de mortos, famintos e incontáveis perseguidos por questionarem a política do atual governo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A partir disso, é importante considerar que o personalismo é um dos elementos mais importantes das nossas culturas políticas. Haveremos de superar este que é recurso utilizado por líderes demagogos, mas seria um erro estratégico negar sua existência em nossa sociedade, assim como um equívoco tático não assumir que Lula é hoje a principal liderança política com palavra de fé pública junto ao povo. A prisão injusta de Lula significou a prisão injusta do Brasil e sua liberdade será coroada com a vitória eleitoral, fruto da vontade popular, que devolverá ao país o projeto de soberania nacional e democracia interrompido pela ação de vendilhões, políticos enganadores do povo e militares traidores da pátria.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Como recentemente apontaram pensadores e lideranças políticas, Lula, o líder em todas as pesquisas eleitorais para presidente da República, em 2022, deve assumir também a liderança nas ruas com o povo, suscitando estratos que permitam a projeção de novas lideranças para o futuro, dentro de um projeto político soberano e popular de inclusão, justiça social, direitos, liberdade, cidadania, dignidade, respeito e democracia. Para tanto, é necessário exigir o “Fora Bolsonaro” com a consequente punição exemplar de todos os responsáveis pelo genocídio em curso no país, garantindo que os erros do passado (como a anistia concedida em 1979 aos torturadores, assassinos e ocultadores de cadáveres, por exemplo) não voltem para atormentar as gerações futuras tal qual hoje vivemos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

É importante que Lula mantenha diálogo com os representantes de todas as forças políticas e democráticas, mas depois da sua injusta prisão e da campanha nacional e internacional por sua liberdade, parece razoável que as manifestações populares recebam sua voz pelo “Fora Bolsonaro”. Sua presença é esperada como vetor de aglutinação e mobilização popular desde 2018, ocasião em que, às vésperas de ser encarcerado, populares tentaram impedi-lo de deixar a sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo, aos gritos de “cercar, cercar e não deixar prender”, “o Lula é nosso” e “não se entrega”.

A força da população organizada, nas ruas, garantirá a derrota dos autoritários, do monopólio dos meios de comunicação, da tutela militar, do parasita mercado financeiro, do imperialismo estadunidense e do fisiologismo político (para mencionar apenas alguns entre tantos problemas urgentes a serem resolvidos). Companheiro Lula, estimado Presidente Lula: vá às manifestações! O povo te espera para, em conjunto, realizar a revolução democrática que o país precisa e a história exige. Com o povo, pelo povo: à esquerda.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email