Lula terá que fazer concessões ao centro

"Lula terá que fazer alianças ao centro, e não apenas para vencer a eleição, mas principalmente para governar, se isso vier a ocorrer", analisa Helena Chagas

www.brasil247.com - Ex-presidente Lula em Brasília
Ex-presidente Lula em Brasília (Foto: Ricardo Stuckert)


O ex-presidente Lula precisa apenas de dois pontos percentuais para ganhar no primeiro turno. Embora a diferença de cinco pontos para Jair Bolsonaro seja curta, o petista é o favorito, dada a rejeição do presidente e a forte possibilidade de sua coligação obter os apoios do PDT de Ciro Gomes e do MDB de Simone Tebet. A soma de ambos no primeiro turno alcança sete pontos percentuais, e não será difícil transferir dois.  

Uma coisa fica clara, porém: Lula terá que fazer alianças ao centro, e não apenas para vencer a eleição, mas principalmente para governar, se isso vier a ocorrer. A onda bolsonarista que varreu o Congresso deixou as forças de esquerda francamente minoritárias nas duas Casas.

Sua coligação fez em torno de 125  deputados, contra 187 do Centrão (PL,PP, Republicanos) e 173 do chamado centro-não centrão, que reúne PDS, União, MDB, PSDB e outros menores. No Senado, a direita tem agora 41 dos 81 senadores. É com esse centro não-centrão que Lula deve conversar, e já na campanha de segundo turno, visando também a alianças futuras se ganhar a eleição.

Integrantes da campanha não querem botar o carro à frente dos bois e dizem que, antes de pensar em governar, é preciso ganhar a eleição - no caso, com um Bolsonaro fortalecido nos calcanhares. As conversas com Simone Tebet e com o PDT devem ocorrer nos próximos dias, mas o roteiro inclui outros partidos mais à direita, como o PSD de Gilberto Kassab, e setores da sociedade.

Alianças políticas, porém, pressupõem concessões - e Lula chegou até aqui com pouquíssimas. Agora, vai ter que abrir aos empresários e ao mercado pontos mais detalhados de seu projeto econômico, que vai ter que caminhar ao centro propondo logo, por exemplo, a nova âncora fiscal. Terá que conversar com Simone Tebet e, quem sabe, Michel Temer - a quem chamou de golpista no último debate - sobre reforma trabalhista e teto de gastos. E por aí vai...

A chance de Lula ganhar a eleição ainda é grande, mas a de montar um governo mais à esquerda parece ter sido muito reduzida - ainda que o investimento no social e na geração de empregos seja o ponto inegociável de todas essas conversas. 

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247