M-26-7: revolução, humanismo e futuro

"Há 67 anos nascia, sob a brilhante mente de Fidel Castro e seus camaradas, o revolucionário Movimiento 26 de Julio.O apoio do povo formou uma exemplar e consciente resistência. Resistiram e resistem até hoje"



Há 67 anos nascia, sob a brilhante mente de Fidel Castro e seus camaradas, o revolucionário Movimiento 26 de Julio, que teve êxito na derrota do ditador Fulgência Batista, permitindo não apenas a ascensão do povo ao poder, mas a instalação do regime socialista em Cuba, promovendo a reforma agrária e o confisco de terras de latifundiários estadunidenses.

Com isso, as sanções impostas pelos EUA – já iniciadas pré-revolução pelo então presidente Eisenhower – foram ainda maiores, justamente pelo medo da ascensão do regime socialista para outros países. Isso fez com que Cuba estreitasse relações com a URSS, que se torna importante aliada em contraposição aos abusivos – e desumanos – embargos. A imposição dos bloqueios financeiros e de mercadorias não atingiram a ilha de forma significante graças à aliança com os soviéticos, que passam a comprar o açúcar excedente – antes comprado pelos EUA e aliados – em troca do fornecimento de petróleo para o país – combustível que também foi proibido de entrar em Cuba.

Dada a ineficiência das atitudes, os EUA financiaram e apoiaram contrarrevolucionários a invadirem Cuba, desencadeando a fatídica e vergonhosa derrota imperialista pelos patriotas cubanos na Bacia dos Porcos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Como última alternativa, agora sob os mandos de Kennedy, as sanções são totais: nenhum aliado dos EUA poderia ter qualquer tipo de relação comercial com Cuba. Cuba resistiu. No entanto, com a queda da URSS, o impacto desse estrangulamento contra Cuba foi sentido. Mas como sempre, o apoio do povo formou uma exemplar e consciente resistência. Resistiram e resistem até hoje. Bush apertou ainda mais os embargos, punindo qualquer companhia que mantivesse relação com a ilha. Posteriormente, Clinton e Obama afrouxaram parcialmente as medidas, as quais foram novamente afrontosas com o fascista Trump.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Durante esses 61 anos (!!!) de embargos, a ONU condenou tais medidas por 29 vezes, mas nenhuma atitude material e prática foi tomada – justamente pelo papel exercido pelos EUA em seu “puxadinho” disfarçado de Organização das Nações Unidas, assim como fazem com a questão da Palestina.

Hoje a discussão vêm novamente à tona, juntamente com o apoio da mídia oligárquica/capitalista na tentativa de deslegitimar e condenar o socialismo. Ao mesmo tempo, omitem – propositadamente – que as atitudes imperialistas são responsáveis diretas pelos problemas que tentam desestabilizar o país caribenho. Ao invés, por exemplo, de condenarem os embargos que proíbem a chegada de insumos para a fabricação de medicamentos e seringas para vacinações – em plena pandemia! – enfatizam que não há remédios e seringas para vacinar a população, e igualmente omitem que é o único país latino-americano que fabrica as vacinas contra a Covid de forma independente, as quais serão também distribuídas gratuitamente para países latino-americanos, de acordo com parceria com a Organização Pan-Americana de Saúde.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Eis um resumo do que é e o que sofre Cuba. País referência em saúde básica, gratuita e universal e que, através de suas brigadas de médicos, exporta esses profissionais para assistir tantos outros países – inclusive aqueles que outrora condenam a ilha – mostrando que o caráter da revolução socialista é também o internacionalismo.

O sistema educacional em Cuba também é digno de elogios pela qualidade em níveis globais – apontamentos feito pelo Banco Mundial! Por sinal, a educação é um marco dos países com vertente socialista – como China, Rússia, Vietnã. No caso de Cuba, é prioridade desde a Revolução, enfatizando sua eficiência e professores de alto padrão. É a ilha socialista, inclusive, um dos países que mais investe na educação em todo o mundo – 13% de seu PIB é destinado à educação (o Brasil, por exemplo, investe menos de 6% do PIB, valendo lembrar aqui que os golpistas de 2016 revogaram os recursos para a educação que seriam destinados com a exploração do Pré-Sal).

(Quando falam para mim vai pra Cuba, só lamento não poder ir!)

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Educação. Talvez seja essa a chave para entender o sucesso do socialismo em Cuba – e, novamente, o medo do capital em divulgar as verdades. Afinal, mesmo com as sanções criminosas, qual povo sai às ruas em defesa de seu regime? Somente um povo educado – emancipado – faz esse tipo de movimentação. Um povo que vive o socialismo e entende que é esse o caminho. Mas por que isso não é tão demonstrado e raramente trabalhado nos livros didáticos e em ambientes escolares?

A resposta está justamente pelo medo do capital. O mesmo capital que promove a exploração do homem pelo próprio homem, sob a falaciosa bandeira da meritocracia.

Hoje, com esse mundo globalizado e unipolar, é evidente que somos bombardeados com propagandas capitalistas. O consumismo é a arma mais forte desse sistema. O TER é infinitamente mais valorizado do que o SER. Porém, com as recentes crises financeiras e a atual pandemia, foram abertas as entranhas do capitalismo; escancarou-se sua fragilidade. E com isso, atrevo-me a dizer que é um sistema desgastado e fadado ao seu fim.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

E não falo isso como alguém que apenas torce por essa mudança. Falo com base nos acontecimentos e todos os problemas trazidos pelo capitalismo e suas mãos invisíveis. O sistema atual é insustentável – em seus três pilares: social, ambiental e econômico – e vai mudar. Talvez não seja o socialismo em sua essência que será implantado, mas ele será – quer queiram ao não. Suas vertentes gradativamente serão impostas, sem qualquer outra alternativa. A começar pelo ecossocialismo – e aqui cabe o elogio aos camaradas do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), que desde sua organização, há 37 anos, vem promovendo exatamente esse método de produção emancipador, solidário e de respeito à vida.

A natureza mandou seu recado através da pandemia. A pobreza, a fome e todas as mazelas do capitalismo foram afloradas enquanto os milionários/bilionários aumentaram seus lucros.

A relação direta entre o avanço dos latifúndios e a pandemia que assola o planeta também foi mostrada. O agronegócio com seu desmatamento, incêndios, poluição do ambiente e das águas com seus agrotóxicos e a não produção de alimento de verdade – e sim de commodities – está nu. Podemos também falar do genocídio de indígenas e quilombolas, e também das políticas extrativistas e danosas ao ambiente que o garimpo e as mineradoras causam, vide os recentes casos de Brumadinho e Mariana, estupradas pelas mineradoras estrangeiras – e ainda não punidas.

Associa-se tudo isso com as políticas neoliberais que promovem o aumento da desigualdade social, resultando em mais miséria – fruto do desemprego, inflação – e que, inevitavelmente, gera maiores índices de violência. Apenas para comparação: os índices de violência/homicídio, divulgados pela ONU em 2018, mostram o Brasil com 27,4 a cada cem mil habitantes. Cuba, no entanto, tem esse índice em 5.

Consequentemente, a violência policial explode – militarizada no Brasil –, ainda mais insuflada pelos discursos bolsonaristas. Dados recentes divulgados pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública mostra que a violência policial sextuplicou desde 2013, e a população negra é quem mais sofre com esse extermínio das forças policiais, com quase 79% dos casos.

Outro ponto geopolítico que também diz respeito à Cuba e que merece atenção é a tentativa de enfraquecimento do BRICS por parte da potência – desesperada e enfraquecida – estadunidense. Uma cartada do capitalismo, afinal, como sempre falo, essa coligação é afrontosa aos interesses do capital financiado pelo FMI/Banco Mundial. Não à toa financiaram os golpes no Brasil e tentam, desesperadamente, desestabilizar a Rússia e a China em nova Guerra Fria camuflada – ou até mesmo caracterizada como híbrida –, evitando a multipolaridade global e o fim da hegemonia capitalista estadunidense.

A Rússia, mostrando sua humanidade e solidariedade – registrada como ditadura pela mídia – acaba de enviar 88 toneladas de ajuda humanitária para Cuba. Enquanto isso, o império estadunidense, defensor da democracia e direitos humanos, segue tentando estrangular o povo cubano em represália ao sucesso do socialismo com El bloqueo.

Cuba resiste e vencerá. Os ideais plantados por Fidel Castro, Raul, Che Guevara, Camilo Cienfuegos e demais camaradas, fazem parte da vida das cubanas e cubanos, e vertem nas veias desse povo internacionalista. Cuba fez história com sua Revolução e serve de exemplo para o futuro que devemos seguir.

Não escrevo tudo isso como mero espectador, entusiasta do socialismo e admirador da história revolucionária de Cuba – a qual sempre procuro ler de diferentes fontes e meios. Escrevo e defendo esse regime pela defesa da vida e da igualdade social. É claro que não há um regime 100% ideal, mas devemos lutar por aquele que melhor atende nossas necessidades enquanto seres pertencentes a um mesmo planeta, que respeite não apenas nossos irmãos e irmãs, mas o ambiente como um todo. Um sistema que prioriza o SER e não meramente o TER. Esse é o socialismo.

O caminho pode até ser longo – se é que o planeta permitirá mais tempo para que essa reação ocorra – mas é inevitável!

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email