Manifestação bolsonarista troca golpe por cloroquina

"Os que estavam na praça não representam o povo brasileiro. Podem representar, no máximo, os 30% que apoiam Bolsonaro. Mas é certo que a inflexão de hoje foi um movimento defensivo, de quem sente que o tapete está escorregando sob seus pés", escreve Tereza CruvinelTereza Cruvinel

Apoiadores de Bolsonaro fazem manifestação em Brasília 03/05/2020
Apoiadores de Bolsonaro fazem manifestação em Brasília 03/05/2020 (Foto: REUTERS/Ueslei Marcelino)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Tereza Cruvinel, para o Jornalistas pela Democracia

Enfrentando um inquérito do STF sobre as acusações de Sérgio Moro e  30 pedidos de impeachment na Câmara, vendo minguar seus índices de aprovação, criticado pelas forças democráticas pelo apoio às ultimas manifestações golpistas,  Bolsonaro fez uma inflexão conciliadora neste domingo. A manifestação de apoio na porta do Palácio do Planalto, embora contrariando as recomendações sanitárias, não exibiu faixas pedindo fechamento do Congresso e do STF ou intervenção militar. Em compensação, os manifestações pediram "cloroquina já". 

Houve uma clara coordenação entre os organizadores da manifestação e o governo para evitar novas acusações de golpismo e atentado ao Estado de Direito, com o próprio Bolsonaro falando em respeito à democracia e destacando a ausência de faixas contra os outros poderes, embora algumas pregassem o "Fora Rodrigo Maia", ou "Fora Toffoli". Mas criticar pessoas não é o mesmo que atacar as instituições. Bandeiras dos Estados Unidos e de Israel voltaram a ser exibidas.

Com a manifestação deste domingo, embora evitando ataques institucionais, Bolsonaro buscou dar mais uma demonstração de apoio popular, justamente quando ganham força as articulações a favor do impeachment, como o pedido que será apresentado por PT e demais partidos de esquerda, juntamente com entidades da sociedade civil. "O povo está comigo", disse Bolsonaro,  ao descer a rampa para interagir diretamente com os apoiadores, pegando uma criança no colo e trocando apertos de mão.  Também pela primeira vez, após a queda do segundo ministro da Saúde,  Bolsonaro tentou dizer que se preocupa com a pandemia, afirmando que seu governo está "dando apoio aos que contraíram coronavirus".

Os que estavam na praça não representam o povo brasileiro. Podem representar, no máximo, os 30% que apoiam Bolsonaro. Mas é certo que a inflexão de hoje foi um movimento defensivo, de quem sente que o tapete está escorregando sob seus pés.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247