Meu destino: varrida para a cadeia ou fora do país

A tortura psicológica começou. Mas, com ameaça, com o silêncio do STF, com tudo, voto Haddad com o número 13 e jamais me renderei ao fascismo

Meu destino: varrida para a cadeia ou fora do país
Meu destino: varrida para a cadeia ou fora do país (Foto: REUTERS/Diego Vara)

Meu primeiro e último voto para presidente foram decididos com base nas propostas dos candidatos.

É a primeira vez que sou ameaçada por um candidato ao exercer um direito tão valioso não para mim, mas para a democracia.

Não voto em Jair Bolsonaro e se eleito, me opuser às suas decisões, serei presa ou obrigada a fugir do país.

O recado foi claro: faxina ideológica!

Só quem se submete desde já às ordens do ditador, não tem com o que se preocupar.

Sou militante do campo popular democrático, em posição ideológica à esquerda.

Sou feminista, jornalista, blogueira com histórico de denúncias que ninguém ousou fazer.

A partir de hoje, sou alvo numa sociedade estimulada à perseguição dos que resistem ao levante fascista.

Sou a filha, irmã, mãe e amiga que quem apoia Bolsonaro torce para ver 'varrida' da sociedade brasileira.

Nem os mais próximos que gostam de mim se dão conta dos riscos a que estou exposta. Se vou merecer meu destino, nenhum deles se preocupa em refletir.

Mas, não os perdoo, pois sabem o que fazem.

Estou com medo, confesso.

Não de resistir e lutar, mas de experimentar o passado de autoritarismo com suspensão de direitos e repressão violenta que só soube pelos livros.

Essa semana participo de uma mesa de diálogo na Universidade Federal de Rondônia para debater 'O Fascismo e os desafios da resistência democrática'.

Será a última até que o pensamento único, com viés ideológico à extrema-direita, ocupe todos os espaços de diálogo e poder?

O ovo da serpente logo irá se romper. Quem poderia lhe esmagar está acovardado.

O Supremo Tribunal Federal foi reduzido ao mais reles poder, o que pode ser fechado com um cabo e um soldado.

Esse poder já perdeu os olhos para os corvos que criou.

Já que fugir do país é improvável, cadeia para mim é possível.

A tortura psicológica começou.

Mas, com ameaça, com o silêncio do STF, com tudo, voto Haddad com o número 13 e jamais me renderei ao fascismo.

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Ao vivo na TV 247 Youtube 247