Milícia digital espanca Maia e mantém ensaio golpista

Tereza Cruvinel, do Jornalistas pela Democracia, cita a hashtag #Veto52VotoSimAberto, para pressionar deputados a vetarem os R$ 30 bi para emendas impositivas. "Bolsonaro também fez uso de sua conhecida manipulação da verdade", diz, acrescentando que ele quer reduzir a verba para R$ 15 bi. "O ensaio golpista segue em marcha. Se tiverem chance, eles avançam", afirma

Rodrigo Maia e Jair Bolsonaro
Rodrigo Maia e Jair Bolsonaro (Foto: Reuters | Carolina Antunes/PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Tereza Cruvinel, do Jornalistas pela Democracia

O governo Bolsonaro talvez não tivesse chegado até aqui sem a ajuda do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, seja na aprovação de matérias relevantes, como a reforma previdenciária, seja bloqueando as propostas mais insanas e desgastantes para o próprio governo. Mas nesta terça-feira os bolsonaristas, ouvindo o assobio do Planalto, partiu para cima de Maia nas redes sociais, acusando-o de querer “meter a mão” em R$ 30 bilhões do Executivo no Orçamento. É com esta fúria anti-Congresso que eles vão para a rua no dia 15. Ou seja, o ensaio golpista segue firme.

Bolsonaro também fez uso de sua conhecida manipulação da verdade. No final da tarde, depois de longas negociações, mandou ao Congresso três projetos regulamentando o orçamento impositivo, para viabilizar o acordo que reduzirá para R$ 15 bilhões o montante de execução obrigatória em obras indicadas pelo Congresso. Mas no Twitter ele disse que não houve qualquer negociação com o Congresso sobre o Orçamento, que a proposta do governo estava mantida através de seu veto. Em verdade, a conclusão do acordo (ou não) ficou para amanhã. Os congressistas querem antes aprovar os projetos, e depois derrubar o veto.

Ao longo do dia os bolsonaristas atuaram no Twitter para manter no topo a hastag #Veto52VotoSimAberto. Veto 52 é o que Bolsonaro apôs à reserva de R$ 30 bilhões para emendas impositivas do relator do Orçamento. A deputada Carla Zambeli chegou a dizer: “Bora, robozada, vamos subir”, numa referencia aos robôs de que se vale a milícia digital. Ao longo do dia os bolsonaristas  atacaram Maia, defensor da derrubada do veto,  e em menor grau Davi Alcolumbre, presidente do Senado, que atuou pela manutenção do veto de Bolsonaro, evoluindo para a defesa do acordo que deve reduzir o montante de execução obrigatória. Em algumas mensagens apareceram as mensagens “[email protected] Maia, [email protected]”.

As mensagens eram na linha dada pelo robô Molambo: “Não podemos dar este cheque em branco de 30 bilhões para o Rodrigo Maia”.  Confusão proposital: os recursos não são para Maia nem para os parlamentares. São para obras por eles indicadas em seus estados. O robô “Deus da Raça” complementava: “Vamos deixar o Rodrigo Maia, que foi denunciado pela PF de caixa 3, falsidade ideológica e corrupção passiva meter a mão em 30 bilhões de reais? Como um bandido com 70 mil votos pode destruir um país”.

O grupo de extrema direita “Vemprárua” foi muito ativo. “Se você também não quer dar nenhum bilhão para Rodrigo Maia, acesse agora #veto.52.com.br e pressione deputados e senadores pela manutenção do veto 52”. Maia foi também acusado, em várias tuites, de ter sido a autoridade que mais requisitou aviões da FAB para viajar. Outras diziam que o veto precisa ser mantido para evitar a “retirada de poderes do presidente e a imposição do parlamentarismo branco”.

A toda foi esta, contra Maia, contra o Congresso, contra o tal parlamentarismo branco. E assim ficou patente que a manifestação do dia 15 continuará sendo contra o Congresso, na linha defendida pelo general Heleno. Mas o cinismo não tem limites para os bolsonaristas. No fervor da sessão da Câmara, a deputada Bia Kicis subiu à tribuna para dizer que a oposição é que é antidemocrática por condenar “o povo na rua”. E que o povo sairá no dia 15 para defender a democracia, o Congresso e o governo. A quem mesmo ela acha que engana?

Não nos enganemos. O ensaio golpista segue em marcha. Se tiverem chance, eles avançam.

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247