Moralizando a luta



O julgamento da suspeição do ex-juiz (sic) Sérgio Moro nos trouxe uma gota a mais de esperança de que o jogo pode mudar. Em um país à deriva como estamos hoje, retrocedendo a cada dia mais, incluindo com a ascensão escancarada de fascistas e nazistas, parece que podemos ter uma chance de nos desvencilharmos das amarras golpistas e do genocídio institucional.

 Lula podendo ser candidato, tem sim grandes chances de conduzir novamente uma frente progressista e soberana ao poder. Todos os avanços que foram conquistados ao longo dos governos petistas foram subitamente arrasados com o golpe parlamentar de 2016 e todas as mazelas proporcionadas pela Farsa Jato, em atendimento aos interesses estadunidenses. Os danos foram enormes, principalmente para os mais pobres e até para a famigerada e arrogante classe média que, bovinamente, abraçou a falaciosa propaganda anti-esquerda.

Ainda que tardiamente, a decisão do STF tende a moralizar novamente o Poder Judiciário, e escancara de vez o que foi a Farsa-Jato e os interesses imperialistas que estavam por trás: enfraquecer o BRICS, o Mercosul e, principalmente, desmontar o país.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Lula é sim o melhor candidato para a esquerda. Atrevo-me a dizer que talvez o único capaz de ser eleito dentro de uma frente progressista e antifascista. Não que nomes como Haddad, Flávio Dino, Boulos não sejam gabaritados. Pelo contrário. Também não vejo Lula como um novo fenômeno do sebastianismo. Mas é o nome capaz de unir o povo – com exceção aos declaradamente fascistas e milicianos que deverão ser combatidos sempre! – e quem já se mostrou capaz de alavancar o país, recuperando a economia com suas políticas públicas e nacionalistas. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

É um estadista, reconhecido e respeitado internacionalmente. Lula tem as portas abertas para o mercado internacional. Um presidente que colocará o Brasil novamente nos trilhos. Fará o Brasil ser novamente uma grandiosa e respeitada nação frente aos demais. E esse é o primeiro passo para nosso fortalecimento.

Não podemos ser hipócritas e negar que Lula fez pelo Brasil tudo o que jamais foi feito: ascensão dos mais negligenciados na sociedade; defesa da soberania nacional através dos recursos naturais e indústrias; criação de cotas em uma tentativa de reparação histórica para com negros, índios, quilombolas; valorização do pequeno produtor rural e defesa de uma América Latina independente. Essas são algumas atitudes tomadas pelos governos petistas ao longo dos anos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

É claro que muita coisa precisa ser feita. A reforma agrária, por exemplo, deve ser um dos objetivos principais de um futuro governo, reconhecendo o apoio sempre dado pelo MST e demais camponeses e, em contrapartida, fortalecendo a base que acabou sendo esquecida – um dos principais erros cometidos por Lula e Dilma.

Por sinal, voltar atenção às bases é fundamental, não apenas para reparação social, mas para consolidar essa estrutura essencial para a luta por uma nação verdadeiramente soberana e com raízes socialistas.

A revolução socialista, se um dia vier realmente a acontecer – o que hoje, sendo bem realista, não vejo um campo fértil para essa possibilidade – depende antes de mais nada da consciência do povo. É óbvio que não vivemos os tempos que favoreceram as revoluções bolivarianas de Cuba e Venezuela. Ainda que o fascismo se faça presente, é inegável que os tempos são outros. Mas é possível que se faça. No entanto, a educação é fundamental. A revolução não se fará da noite para o dia. Ela será construída com pequenos atos e atitudes, começando a paridade e equidade de direitos de mulheres, homens, gays; brancos e negros. A revolução será feita com o fortalecimento da educação verdadeiramente libertadora, pública, gratuita e sem o risco da mercantilização e suas censuras.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

E que não temam a palavra “revolução”, muito menos o “socialismo”. Afinal, a luta pela conquista de uma pátria socialista nada mais é do que um país mais igualitário. Um país que se combate o racismo, a misoginia, a exploração neocolonial do capitalismo. Um país pluricultural.

Será um trabalho árduo de Lula, afinal, pegará uma terra arrasada, com células fascistas e ignorantes que insistem em proliferar. Precisará de força e apoio. E para isso estamos aqui, dispostos mais uma vez a lutar por tudo isso que acreditamos.

Que Lula possa nos trazer essa nova esperança e continuarmos a sonhar não apenas com um Brasil soberano, mas com uma América Latina liberta e respeitada!

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email