Muqtada o Conquistador ganha terreno nas urnas iraquianas

Nas últimas eleições, a popularidade de Muqtada al-Sadr foi confirmada, mas as lutas internas no Iraque estão apenas começando

www.brasil247.com - Muqtada al-Sadr
Muqtada al-Sadr (Foto: REUTERS/Alaa Al-Marjani)


Por Pepe Escobar, para o Asia Times

Tradução de Patricia Zimbres, para o 247

Seria tentador descrever as eleições para o parlamento iraquiano deste último domingo como um ponto de virada geopolítico. Bem, é complicado - em mais de um sentido.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Comecemos com a taxa de abstenção. Dos 22 milhões de eleitores inscritos para escolher 329 parlamentares a partir de uma lista de 3.227 candidatos e 167 partidos, apenas 41% compareceram às urnas, segundo a Alta Comissão Eleitoral do Iraque (ACEI).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Há também a notória fragmentação do tabuleiro político iraquiano. Os resultados iniciais oferecem um fascinante vislumbre. Das 329 cadeiras, os sadristas - liderados por Muqtada al-Sadr – conseguiram 73; uma coalizão sunita alcançou 43; uma coalizão xiita liderada pelo ex primeiro-ministro Nouri al-Maliki  tem 41; e a facção curda liderada por Barzani tem 32.  

No atual esquema eleitoral, além das coalizões xiitas, os sunitas dominam os dois blocos principais, e os curdos têm dois grandes partidos no poder no Curdistão autônomo: a gangue Barzani – que costuma entrar em uma série de suspeitíssimos acordos com os turcos – e o clã Talabani, que não é muito mais correto.  

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O que temos pela frente são negociações extremamente demoradas, sem falar das brigas internas. Quando os resultados forem validados o Presidente Barham Saleh, em tese, tem quinze dias para escolher o novo presidente do Parlamento, e o Parlamento tem um mês para escolher um Presidente. Mas a totalidade do processo pode levar meses.

A pergunta que já passou pela cabeça de todos em Bagdá: confirmando a maioria das previsões, os sadristas talvez consigam o maior número de cadeiras no Parlamento. Mas será que eles conseguirão formar uma aliança sólida para indicar o próximo primeiro-ministro? 

Há uma forte possibilidade de eles preferirem permanecer em segundo plano, considerando que os próximos anos serão extremamente desafiadores para iraquianos de todo o espectro: na frente de segurança e contraterrorismo; na tenebrosa frente econômica; na frente da corrupção e da péssima administração pública e, por último mas não menos importante, naquilo que a tão esperada retirada das tropas dos Estados Unidos realmente significa. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A tomada de quase um-terço do território iraquiano pelo Daesh, de 2014 a 2017, talvez agora seja uma lembrança distante, mas permanece o fato de que, dos 40 milhões de iraquianos, um número desconhecido tem que lidar cotidianamente com desemprego desenfreado, ausência de serviços de saúde, parcas oportunidades educacionais e até mesmo falta de energia elétrica. 

A "retirada" americana de dezembro é um eufemismo: tropas de 2.500 soldados, na verdade, serão reposicionadas em papéis não-bélicos não especificados. A maioria esmagadora dos iraquianos - sunitas e xiitas - não aceitará essa situação. Uma fonte segura dos serviços de inteligência - ocidental, não oeste-asiática - me assegurou que os diversos grupos xiitas têm capacidade de aniquilar todos os ativos americanos no Iraque em apenas seis dias, incluindo-se a Zona Verde. 

Sistani é quem manda

Retratar os principais atores da cena política iraquiana como sendo apenas "uma elite no poder dominada por islamistas xiitas"  é orientalismo crasso. Eles não são "islamistas" - em um sentido da jihadi salafista. 

E tampouco eles montaram uma coalizão política "ligada a milícias apoiadas pelo Irã": isso é o reducionismo mais crasso. Essas "milícias" são de fato as Unidades de Mobilização Popular (UMPs) que, desde o início, foram incentivadas pelo Grande Aiatolá Sistani com o objetivo de defender a nação contra takfires e jihadistas salafistas do tipo Daesh, tendo sido legalmente incorporadas ao Ministério da Defesa.

O que é definitivamente correto é que Muqtada al-Sadr está em confronto direto com os principais partidos xiitas - principalmente seus membros envolvidos em corrupção maciça.  

Muqtada é um personagem extremamente complexo. Ele, essencialmente, é um nacionalista iraquiano que se opõe a qualquer forma de interferência estrangeira, em especial a  continuação da presença das tropas dos Estados Unidos - em qualquer forma ou dimensão. Como xiita, ele tem que ser inimigo dos xiitas aproveitadores, politizados e corruptos. 

Elijah Magnier fez um excelente trabalho ao tratar da importância de uma nova fatwa tratando das eleições, promulgada pelo Grande Aiatolá Sistani, ainda mais importante que a "Fatwa das Reformas e das Mudanças", que tratava da ocupação do Norte do Iraque pelo Daesh em 2014, levando à criação das UMPs.

Nessa nova fatwa, Sistani, sediado na cidade sagrada de Najaf, incentiva os eleitores a buscarem um "candidato honesto" capaz de "trazer mudanças reais", "removendo candidatos antigos e geralmente corruptos". Sistani acredita que "o caminho das reformas é possível", e que "a esperança ... tem que ser usada para retirar os incompetentes" do poder no Iraque. 

A conclusão é inescapável: grandes parcelas dos iraquianos despossuídos passaram a ver esse "candidato honesto" em Muqtada al-Sadr.  

O que não é de surpreender. Muqtada é o filho mais novo do falecido e imensamente respeitado Marja’, Sayyid Muhammad Sadiq al-Sadr, assassinado pelo aparato de Saddam Hussein. A base imensamente popular de Muqtada, herdada de seu pai, congrega pobres e oprimidos, como vi com meus próprios olhos por diversas vezes, em especial na Sadr City, em Bagdá, e em Najaf  e Karbala. 

Durante a escalada Petraeus, em 2007, fui recebido de braços abertos em Sadr City, conversei com diversos políticos sadristas, vi como o exército Mahdi opera nas áreas tanto militar quanto social e observei in loco muitos dos projetos sociais sadristas. 

No inconsciente coletivo xiita, Muqtada, àquela época baseado em Najaf, deixou sua marca, em inícios de 2004, como o primeiro líder religioso xiita e político de proeminência  a se opor frontalmente à ocupação americana, mandando os americanos irem embora.  A CIA pôs sua cabeça a prêmio. O Pentágono queria derrotá-lo – em Najaf. O Grande Aiatolá Sistani – e seus dez milhões de seguidores - deram apoio a Muqtada.  

Depois disso, ele passou um longo tempo aperfeiçoando suas habilidades teológicas em Qom – ao mesmo tempo em que permanecia em segundo plano, mantendo sua extrema popularidade e aprendendo uma coisa ou outra sobre sagacidade política. O que se reflete em seu atual posicionamento: opondo-se sempre às forças de ocupação dos Estados Unidos, mas disposto a trabalhar com Washington para apressar sua partida.  

É muito difícil acabar com velhos hábitos (imperiais). Mesmo em sua condição de inimigo jurado, rotineiramente  acusado pela mídia ocidental de ser um "clérigo volátil", Muqtada agora, pelo menos, é reconhecido por Washington como um ator importante, e até mesmo como um interlocutor. 

Mas não é esse o caso do grupo Asa’ib Ahl al-Haq, que teve origem na base sadrista. Os americanos ainda não entenderam que não se trata de uma milícia, e sim de um partido: nos Estados Unidos eles são taxados de organização terrorista.  

Os atores da ocupação americana também se esquecem, de forma muito conveniente, que a configuração "disfuncional" do Parlamento do Iraque, dividido em facções confessionais, está inextricavelmente ligada ao projeto da democracia liberal ocidental com o qual o Iraque vem sendo bombardeado. 

Em termos geopolíticos, o futuro do Iraque no Oeste Asiático, de agora em diante, estará inextricavelmente ligado à integração eurasiana. Não é de surpreender que o Irã e a Rússia estivessem dentre os primeiros atores a cumprimentarem oficialmente Bagdá pela tranquilidade das eleições. 

Muqtada e os sadristas terão plena consciência de que o Eixo da Resistência – Irã-Iraque-Síria e o Hezbolá do Líbano – vem se tornando cada vez mais forte. E esse fortalecimento está diretamente ligado ao fortalecimento da integração eurasiana pela parceria Irã-Rússia-China. Mas, primeiro, é preciso tratar do que é mais importante:  instaurar um primeiro-ministro e um Parlamentos "honestos". 

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email