No país da exclusão, Bolsonaro governa para devotos ricos e brancos

Jornalista Ricardo Kotscho avalia os percentuais de popularidade de Jair Bolsonaro e atesta que suas políticas estão majoritariamente voltadas para a elite do País; "De 'um país para todos', o lema do governo Lula, agora somos novamente 'um país para poucos'. Isso não tem como dar certo. Uma hora a corda vai arrebentar", diz Kotscho

(Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil)

Por Ricardo Kotscho, no Balaio do Kotscho e para o Jornalistas pela Democracia 

Aprovado por apenas um em cada três brasileiros, segundo o Datafolha, o presidente(?) Jair Bolsonaro governa apenas para seus devotos robotizados nas redes sociais.

E o resto que se dane.

É o que se pode concluir dos vários desdobramentos da pesquisa e das ações do governo nestes primeiros seis meses.

A começar pela reforma da Previdência, que vai manter os privilégios de fardados e togados e cortar os benefícios dos mais pobres.

Basta citar um dado do Datafolha a demonstrar para quem governa o capitão: enquanto 47% da população apoia a reforma, esse número sobe para 73% entre os empresários (está na primeira pagina da Folha de hoje). Por que será?

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

Se a pesquisa for feita entre os mercadores do dinheiro grosso, os especuladores da Bolsa e do dólar, esse número certamente chegará a 100%, de preferência aprovando a capitalização.

Em todos os levantamentos da pesquisa, fica claro o lado que Bolsonaro escolheu no país dividido ao meio: o dos brancos mais ricos e mais escolarizados, no Sul/Sudeste.

A rejeição a Bolsonaro cresce entre os mais pobres, com menos instrução, pretos e pardos, no Norte/Nordeste.

Não por acaso, é entre os eleitores de Bolsonaro que mais gente acha que o brasileiro se aposenta cedo demais (15%). Entre os que votaram em Fernando Haddad, este índice cai para 6%.

Por faixa de renda, como informa o Painel da Folha, são os mais ricos, com renda acima de 10 salários mínimos, os que concordam que o brasileiro trabalha pouco tempo para se aposentar: 31%.

Certamente não é para esses devotos mais ricos que o presidente se dirige ao defender o trabalho infantil, pois os filhos deles só começam no batente depois de se formar, de preferência em boas faculdades estrangeiras.

É o filho do pobre que se vê obrigado a trabalhar cedo, muitas vezes em condições insalubres, para ajudar a família.

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

Lembro-me de uma reportagem que fiz muitos anos atrás sobre uma escola na periferia de São Paulo onde os alunos dormiam nas aulas.

O professor foi à casa deles para descobrir o que estava acontecendo: as crianças trabalhavam durante a madrugada para ajudar os pais numa olaria, onde eles moravam.

Sem nenhum plano de governo, o presidente fala e faz o que lhe vem na telha, sem se preocupar com o que dizem as leis e a Constituição, apenas ouvindo sua turma nos churrascos de fim de semana e nas festinhas nos quartéis.

Nas suas mais esdrúxulas decisões, sempre tem quem saia ganhando, nem que seja às custas da saúde e da vida dos que não fazem parte da seita.

Na contramão dos países civilizados, Bolsonaro resolveu agora elevar os benefícios fiscais para a indústria de refrigerantes, uma das razões da epidemia de obesidade que já atinge 59% das crianças brasileiras.

Para combater o contrabando de cigarros, o Ministério da Justiça estuda a redução dos impostos, na contramão das políticas antitabaco no mundo inteiro e aqui também, que reduziram drasticamente o consumo.

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

Quando corta drasticamente os recursos para a Educação, é a população mais pobre que ele atinge, porque os seus amigos ricos podem pagar boas escolas particulares.

O mesmo acontece na saúde, onde a rede pública é desmantelada, para que os planos de saúde possam aumentar sua freguesia e seus lucros.

Na visão caolha e calhorda da nova ordem, filho de pobre não precisa fazer faculdade, nem ter acesso a bons hospitais, reservados apenas aos eleitos.

No mesmo Datafolha, a Educação aparece como o principal problema do país hoje, com 15% das citações. Em segundo lugar, surge a saúde.

Bolsonaro não está preocupado com isso, nem com os milhões de desempregados.

Como outros governos que o antecederam, ele governa apenas para um terço da população, que o apoia.

Estamos percorrendo o caminho inverso da inclusão social e no mercado de trabalho, que resgatou milhões de famílias da fome e da miséria, para onde elas já estão voltando.

De “um país para todos”, o lema do governo Lula, agora somos novamente “um país para poucos”.

Isso não tem como dar certo. Uma hora a corda vai arrebentar.

Vida que segue.

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

Conheça a TV 247

Mais de Blog

blog

Cabaços

Precisava de alguma aventura. Não suportava mais a bruaca martelando no seu ouvido que era um inútil. Uma ingrata que nunca trabalhou na vida. Ele não merecia. Fez intercâmbio, fritou hambúrguer...

Ao vivo na TV 247 Youtube 247