Notas dignas de nota

Se for mentir, melhore sua segurança pessoal

www.brasil247.com -
(Foto: Pixabay)


I.

Jair adorava mentir. Um dia, ele saiu gritando pelas ruas da cidade: “ei, os comunistas venezuelanos estão invadindo a Amazônia!”. Todo mundo correu para a floresta. Só que, chegando lá não tinha invasão coisa nenhuma. Passou um tempo e lá veio o Jair mais uma vez, aos berros: “ei, os comunistas venezuelanos agora tomaram o rio Amazonas, façam alguma coisa!”. Foi uma loucura, gente indo às pressas tentar salvar aquele colosso. De novo, tudo balela.

Dias depois, Jair botou a cara na janela e avisou: “ei, os comunistas venezuelanos entraram aqui em casa e estão me sequestrando, socorro!”. Quanto mais urrava, mais o povo desencanava. Botar fé naquele Pinóquio? Nunca mais! Acontece que, daquela vez, era verdade. O serviço secreto da Venezuela se encheu de tanta palhaçada e carregou Jair para um presídio em Caracas. 

MORAL: se for mentir, melhore sua segurança pessoal.

II. 

Andando pela Lapa vi escrito numa faixa de pedestres na Pio XI: “calma!”. Inclusive, numa tipologia bem chamativa. Pelo que entendi a palavra era um pedido aos motoristas para que, na região, diminuíssem a velocidade de seus bólidos. O que evitaria atropelar os passantes. Chamou-me atenção, no entanto, o tom desesperador dessa calma. Não era uma mansidão qualquer, mas uma CALMA! Quando órgãos de trânsito precisam apelar para tais expedientes é hora de nos desassossegarmos.

III. 

Nunes Marques, como este sobrenome, poderia ser um ministro plural. No entanto, é mais singular do que a própria singularidade. Seus despachos monofônicos, o mantém na mesma tecla, num xaxado de uma nota só a favor do poder estabelecido. Junto com Aras e Lira forma o triunvirato do in statu quo res erant ante bellum. O magistrado não parece ter nascido no Piauí. Um estado que, à época das lutas pela independência, foi dos mais aguerridos. E, de aguerrido, Nunes Marques não tem nem o barbante da toga. Não passa de um yes-man.

IV.

Reunião no salão de festas de um condomínio de prédios. Um marido, com a esposa ao lado, revela algo sobre seu casamento para um grupo enorme formado por familiares e todos os condôminos e funcionários do residencial. 

Marido (num púlpito): Esta é a minha esposa. Trouxe ela aqui, na presença de vocês, para dizer uma coisa: essa mulher não funciona. É falsa, trai. Tudo de ruim. E os meus inimigos ainda ficam dizendo que ela é ótima. É mentira. Como fica difícil comprovar, quis que todos nessa reunião soubessem. Era isso. Muito obrigado.

Não se ouve aplausos no ambiente. Em seguida, todos saem do salão em silêncio.

Cai o pano.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247