O Brasil que tanto fez, agora tanto faz

Jurista Carol Proner critica a prioridade do Brasil na política externa, com a nomeação do ex-prefeito do Rio Marcelo Crivella ao cargo de embaixador do Brasil na África do Sul. "Nunca fomos tão irrelevantes. Ainda bem que o mundo dá voltas", afirma

www.brasil247.com - Jair Bolsonaro e Marcelo Crivella
Jair Bolsonaro e Marcelo Crivella (Foto: Marcos Corrêa - PR)


O mundo acompanha os preparativos para o encontro entre Joe Biden e Vladimir Putin que acontecerá nesta quarta, dia 16 de junho, em Genebra com o objetivo fundamental de baixar as tensões entre as duas potências. 

O mundo da política internacional já não é o mesmo desde o fim do século XX quando China e Rússia, frequentemente atuando em aliança, demonstraram que uma nova ordem mundial dependerá grandemente de suas escolhas políticas, econômicas e militares. 

Essa realidade inevitável obrigou os Estados Unidos a adotarem novas estratégias. Do America First, de Trump ao America is Back, de Biden, a política externa se transformou substancialmente em poucos meses. Mas algumas pautas não mudaram tanto assim e  Rússia e China seguem consideradas ameaças de primeira grandeza.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os recentes esforços de aproximação e abertura ao diálogo com a Rússia vêm precedidos de atos bem agressivos. Já sob administração Biden foram 2 pacotes de sanções aplicados contra a Rússia (em março e em abril) além de enfrentamentos retóricos graves, como quando o Presidente norte-americano chamou Putin de assassino. Por parte da Rússia, lembremos da recente decisão de eliminar 119 bilhões de dólares em ativos líquidos trocando-os por euros, yuans e ouro, uma decisão marcante no sentido de ruptura com o hegemonismo monetário-financeiro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Portanto, o encontro entre os dois adversários ocorre no momento em que as hostilidades são graves e crescentes e é precedido por outro, de Biden com os líderes europeus, o que também parece ser uma estratégia para manter seguras as zonas de influência dos americanos. 

Fato é que os Estados Unidos fazem política de pressão todo o tempo e possuem muitas formas de influenciar a decisão de outros atores, sendo uma das mais eficazes o uso da OTAN. Em recente reunião, a Aliança Atlântica qualificou, pela primeira vez, a China como “um desafio para a sua estabilidade” e instou os países membros a “unirem esforços para fazer frente a isso”. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Não obstante, a Europa, que já estava molesta com os efeitos da guerra comercial transoceânica desencadeada na gestão Trump, agora se aborrece com a repentina aproximação dos Estados Unidos e da Rússia, até certo ponto uma surpresa. Alguns líderes se queixam da falta de transparência das agendas e interesses da potência aliada, deixando-os sobrantes e desinformados. 

E a resposta chinesa ante a declaração da OTAN pode intensificar ainda mais o desconforto que contamina as relações diplomáticas com as autoridades europeias. Segundo a China, a OTAN busca criar uma confrontação geopolítica e usa o legítimo direito ao desenvolvimento como desculpa para manipular a política de aliança.

Tudo isso é muito interessante de acompanhar, fascinante até, já que afetará os rumos não apenas das potências diretamente envolvidas, mas de todo o planeta. E ainda que o encontro não alcance resultados em questões pendentes, como agendas comuns da ONU sobre a pandemia ou questões climáticas, o tema do desarmamento em matéria nuclear ou mesmo o sensível tema das sanções coercitivas unilaterais, fato é que a diplomacia está de volta.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Enquanto isso, no BRASIL, e de forma deprimente, observamos que a prioridade de nossa política externa é, no momento, a nomeação do ex-prefeito Marcelo Crivella ao cargo de embaixador do Brasil na África do Sul. Para vexame absoluto do Brasil, tudo indica que não será tarefa fácil emplacar o nome do ex-prefeito do Rio de Janeiro, acusado de envolvimento em graves casos de corrupção, e que podemos enfrentar uma espécie de veto tácito por parte do país sul-africano.

Um país que tanto fez, agora tanto faz... Nunca fomos tão irrelevantes. Ainda bem que o mundo dá voltas. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email