O BraZil com Z é FAKE. E O BraSil com S é Lula!

Nossa história está repleta de golpes de Estado, como o bom leitor já sabe – o povo sempre lutou de alguma forma contra as correntes avassaladoras da opressão, porém do Golpe de 2016 até os dias de hoje a insciência e a impostura não conseguem disfarçar a maneira torpe com a qual um obscurantismo governamental (sui generis) fora implatado antes e depois do golpe

Votar no Lula é votar no Brasil
Votar no Lula é votar no Brasil (Foto: RICARDO STUCKERT)

Quem são os vendilhões do Templo governamental brasileiro?

Jesus em Jó 2, 12-25, demonstra total indignação ao encontrar o Templo de seu pai repleto de cambistas; vendilhões. Não faça da Casa de meu pai, uma casa de Comércio: foi a máxima, proferida, por Jesus nesta hora...

E antes de dizer tais palavras, Jesus havia trançado com cordas um improvisado chicote com o qual espanou algumas mercadorias dos cambistas que lá negociavam especialmente animais para o sacrifício como ovelhas, pombas, e até bois. 

E similarmente, no Templo do Governo, o povo brasileiro se encontra de joelhos em um santuário repleto de vendilhões da pátria que negociaram e negociam as seguintes empresas: Telebrás, Correio, ABGF, Serpro, DataPrev, Ceagesp, Ceitec, e Porto de Santos, Codesa, Casa da Moeda, Transurb, CBTU e a meta governamental é aumentar este número.

Nossa história está repleta de golpes de Estado, como o bom leitor já sabe – o povo sempre lutou de alguma forma contra as correntes avassaladoras da opressão, porém do Golpe de 2016 até os dias de hoje a insciência e a impostura não conseguem disfarçar a maneira torpe com a qual um obscurantismo governamental (sui generis) fora implatado antes e depois do golpe. 

O Brasil que já foi o Pindorama ou Terra das Palmeiras altas (segundo os seus habitantes originais) vem sofrendo a falta de emprego, de salário, de Cultura, de Educação, de Previdência; neste imenso continente com 8.516.000 quilômetros quadrados.

O trem está descarrilando; e o povo está submisso, existem professores do Estado do Rio de Janeiro, por exemplo, com proventos congelados há mais de cinco anos, e de quebra sofrendo perseguições hediondas por parte de uma política de assédio imperativo advindo de cúpulas senhoriais. 

Há falta de moradia, as pessoas estão se amontoando em espaços públicos variados: são 

Praças, jardins, e até em hall de bancos, como já vi.

Brasileiros e brazileiros dividem o mesmo espaço territorial do gigante à deriva que vem perdendo sua soberania a cada dia – sim, temos dois Brasis: o que elegeu este desgoverno que idolatra os E.U.A; e o Brasil daqueles que aguardam a soltura de um dos maiores líderes políticos que o mundo já viu.

O presidente Lula em recente entrevista sugeriu aos responsáveis pelo escárnio dirigido aos seus familiares mortos; (escárnio este registrado em recentes mensagens divulgadas pelo INTERCEPT) – que estes deveriam pedir excusas ao povo brasileiro. E de fato, em virtude de um engodo chamado Lava jato que feriu de morte a economia, e portanto, fez nascer uma conjuntura de gente sem futuro.

E em frente iremos? Claro que iremos, somos resistentes, e como bem disse o político, antropólogo e escritor Darcy Ribeiro, Só há duas opções na vida: Se resignar ou se indignar. E eu não vou me resignar nunca.

Segundo Charles Darwin: Na história da humanidade (E dos animais também) aqueles que aprenderam a colaborar e a improvisar foram os que prevaleceram.

Talvez tenha chegado a hora do Brasil Fake ser separado do Brasil de Lula: preso político há mais de 500 dias na sede da polícia federal em Curitiba, por convicção e sem provas.

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Jandira Feghali

O massacre como política

Quem deterá o governador Witzel? Com certeza não será sua humanidade, já que comprovou não lhe restar nenhuma. É preciso transformar nossa indignação em protestos e ações institucionais e políticas...

Ao vivo na TV 247 Youtube 247