"O cara de extrema-direita sou eu"

"Bolsonaro radicaliza o discurso para se diferenciar de Moro. Para reagrupar seu rebanho e evitar que ovelhas passem para o outro pasto", diz Alex Solnik

www.brasil247.com - Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro (Foto: REUTERS/Adriano Machado)
Siga o Brasil 247 no Google News

Por Alex Solnik

Há mais ou menos um mês, coincidindo com o anúncio da candidatura de Moro, Bolsonaro tirou a máscara de moderado, que vinha usando desde o fracasso do autogolpe de 7 de Setembro.

Voltou até a criticar o STF, embora não com as palavras chulas de antes: “Cada vez mais o Supremo interfere em tudo”, queixou-se quando foi questionado o orçamento secreto do governo.

PUBLICIDADE

Passou a tratar seu rival de “idiota” e “mau caráter”. E a reafirmar seu extremismo de direita: 

“Ele sabia que eu era armamentista e trabalhou contra”. 

PUBLICIDADE

Ontem ele ficou mais parecido com o Bolsonaro de sempre ao acusar a Anvisa, outrora vista como sua aliada, de querer fechar o espaço aéreo do país, sem dispensar os “poha”, é claro.

Bolsonaro radicaliza o discurso para se diferenciar de Moro.

PUBLICIDADE

Para reagrupar seu rebanho e evitar que ovelhas passem para o outro pasto.

Como para lembrar que o cara de extrema-direita é ele.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email