O desmonte do Banco do Brasil é o desmonte do Brasil

Primeiro banco do país e mais antigo que o Estado brasileiro, o BB se afirmou, no decorrer de dois séculos, como uma das instituições mais importantes da história brasileira e como elemento indissociável da nação

www.brasil247.com - Brasil, S�o Paulo, SP. 23/04/2014. Fachada de Ag�ncia do Banco do Brasil na Av. Paulista. - Cr�dito:ITACI BATISTA/ESTAD�O CONTE�DO/AE/C�digo imagem:166143
Brasil, S�o Paulo, SP. 23/04/2014. Fachada de Ag�ncia do Banco do Brasil na Av. Paulista. - Cr�dito:ITACI BATISTA/ESTAD�O CONTE�DO/AE/C�digo imagem:166143 (Foto: Décio Lima)


Uma nação é, de forma geral, constituída por um povo, um território, uma língua e um governo comuns. Isto obviamente não basta, a existência da nação exige também a adesão de seus membros, um sentimento de pertença a nacionalidade. As pessoas devem se sentir parte da nação ou ela não existirá, resumindo-se então a uma infinidade de interesses particulares em conflito e concorrência permanentes. Esse pertencimento se fundamenta, em grande medida, em uma identidade compartilhada entre todos. Tal identidade é articulada por elementos diversos, entre eles história, tradições, hábitos, religião e interesses comuns, elementos que fortalecem a sensação de pertencer a uma experiência coesa e única a qual chamamos de lar.

No Brasil a identidade da nação é estruturada em uma rede complexa de elementos que nos sugerem que compartilhamos um projeto e um destino comuns, elementos que mesmo em conjunturas históricas e momentos políticos diferentes nos mantém a crença de que somos um país e que os laços que nos ligam estipulam o desejo pelo bem comum como nosso sentimento primordial. A língua portuguesa, a religiosidade, o futebol e o carnaval são exemplos emblemáticos de tais elementos de promoção da coesão nacional. Algumas instituições, por conta de sua relevância histórica e social, estão nesta lista, encarnam, em si mesmas, uma parte da identidade da nação. O Banco do Brasil é, sem sombra de dúvida, uma destas instituições. Primeiro banco do país e mais antigo que o Estado brasileiro, o BB se afirmou, no decorrer de dois séculos, como uma das instituições mais importantes da história brasileira e como elemento indissociável da nação.

Fundado em 1808 e colocado sob gestão estatal desde 1905 o BB cumpriu, e cumpre, tarefas fundamentais no desenvolvimento do Brasil. Como fomentador da economia desde a fundação da república e como ferramenta de contenção das ambições dos bancos privados prestou, e presta, serviços inestimáveis ao Brasil e a seu povo. Priorizando a ideia do bem comum dos membros da nação, algo impensável para o setor bancário privado, de capital estrangeiro, ávido por lucros a qualquer preço e de qualquer forma, o BB conseguiu ao mesmo tempo ajudar o Brasil a se construir como uma nação moderna e se tornar uma instituição bancária próspera e rentável. Recentemente levando serviços bancários a comunidades desassistidas pelos bancos privados, ampliando e barateando o crédito para o setor rural, a construção civil, o mercado de automóveis e as pequenas e médias empresas, o BB foi fundamental para o salto civilizacional dado nos governos Lula e Dilma e no amortecimento de parte do choque da crise internacional do capitalismo na economia brasileira.

Esse comprometimento com a nação e com um projeto de civilização, que marca a História do Banco é inaceitável para o governo ilegítimo hora instalado no comando do Estado. Sem projeto de país, títeres de desejos privados e motivados apenas pela ambição desenfreada e pelo egoísmo mais ordinário, os que tomaram o governo de assalto deram início ao saque e desmonte do Banco do Brasil. O fechamento de mais de 450 postos de atendimento e um plano de demissão voluntária que pretende retirar quase dezoito mil trabalhadores do quadro são os primeiros, e já devastadores, passos para a destruição de uma instituição bancária com compromisso social.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na mesma ação em que dilapida um patrimônio nacional, exclui do acesso aos serviços bancários uma multidão de brasileiros e arruína uma ferramenta fundamental para a retomada do crescimento, o governo ilegítimo, coerente com seu liberalismo perverso, promove a abertura de espaço para que seus sócios, os bancos privados e o capital rentista, possam saquear o país, praticando impunemente, e sem mediações, taxas extorsivas e juros abusivos. O desmonte do Banco do Brasil, que lucrou 14,4 bilhões no último exercício, é feito a título de economia e de mentiroso e perverso ajuste fiscal, que faria bem melhor se combatesse a sonegação, ação capaz de trazer 500 bilhões, subtraídos anualmente pelo setor privado, aos cofres públicos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Estamos assim sofrendo um duplo e profundo prejuízo, ao mesmo tempo em que rapina uma das instituições fundamentais da economia brasileira o governo ilegítimo desmonta um dos elementos constitutivos de nossa própria identidade como nação, tornando o Brasil mais pobre, menor e menos coeso.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email