O estranho voto útil do eleitor do PSDB

O fenômeno a ser estudado em 2014 é o fato de os tucanos trocarem seu candidato pelo vale-tudo contra o PT, na teoria de que mais vale uma Marina na mão do que um Aécio voando

O fenômeno a ser estudado em 2014 é o fato de os tucanos trocarem seu candidato pelo vale-tudo contra o PT, na teoria de que mais vale uma Marina na mão do que um Aécio voando
O fenômeno a ser estudado em 2014 é o fato de os tucanos trocarem seu candidato pelo vale-tudo contra o PT, na teoria de que mais vale uma Marina na mão do que um Aécio voando (Foto: Leonardo Attuch)

As pesquisas desta semana sobre a sucessão presidencial revelam um fenômeno curioso. O eleitor do PSDB, tradicionalmente conservador, decidiu trocar um candidato que poderia ser muito competitivo num eventual segundo turno, o senador Aécio Neves (PSDB-MG), pela incógnita representada por Marina Silva.

O que explica esse comportamento é uma teoria lançada pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e que foi rapidamente abraçada por lideranças em torno da candidatura Aécio. Mais importante do que vencer, seria derrotar o chamado "mal maior" representado pelo PT. Assim, bastou uma primeira sondagem apontando que Marina Silva, ao contrário de Aécio, poderia vencer Dilma Rousseff num ainda distante segundo turno para que os tucanos, em peso, embarcassem na lógica do voto útil. Antes uma Marina na mão, do que um Aécio voando.

Mas será que existe realmente uma "Marina na mão"? Por mais que ela esteja cercada de banqueiros e de economistas alinhados com um pensamento liberal, será mesmo que um eventual governo Marina se deixará sequestrar completamente pela agenda do PSDB? Para quem lembra que Marina, em nome de suas convicções, deixou PT, o PV e irá abandonar o próprio PSB em 2015 para criar sua Rede, essa é uma aposta um tanto arriscada.

O desespero tucano, no entanto, causou tremendos danos à candidatura Aécio e ao próprio PSDB, que fatalmente elegerá uma bancada menor e passou a correr o risco de perder governos estaduais importantes, com essa lógica do vale-tudo (inclusive Marina) contra o PT. Dias atrás, Aécio se viu forçado a chamar uma coletiva para negar sua desistência. E teve ainda que repreender um aliado, o senador Agripino Maia (DEM-RN), que já prometia apoio a Marina num eventual segundo turno.

Por mais difícil que seja a situação do PSDB, viradas acontecem. Em 2002, por exemplo, houve um momento em que Ciro Gomes parecia eleito, antes de evaporar. No entanto, para que uma reviravolta aconteça, os primeiros a acreditar nela devem ser os tucanos e seus aliados.

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Ao vivo na TV 247 Youtube 247