O Eterno levou a espécie humana para o jardim do Éden, para que cultivasse o solo e mantivesse tudo em ordem

O grande objetivo da humanidade seria manter o Planeta Éden como lugar de delícias, fazendo jus ao significado do nome dado pelo criador

Siga o Brasil 247 no Google News

Por Ariovaldo Ramos

A espécie humana teria de se multiplicar, para, se espalhando pela Terra assumir a zeladoria que lhe foi confiada.

Deus transformou essa espera em ambiente de aprendizado.

PUBLICIDADE

Plantou um jardim e colocou nele o casal para que cultivasse o solo e cuidasse do jardim.

O jardim é a escola de formação do casal.

Lá aprenderiam o que significa organizar a vida, de modo que houvesse espaço para todos.

PUBLICIDADE

Porque o jardim não é mero ajuntamento.

Lá aprenderiam como criar um ambiente de solidariedade, de nutrição mútua.

Compreenderiam a dinâmica interdependente da vida.

PUBLICIDADE

Assim, como aprenderiam a sabedoria no uso dos recursos, de modo a mante-los sempre se reproduzindo.

Apreenderiam as espécies, a beleza, as necessidades e contribuições, de cada uma no todo.

Aprenderiam a ver o Planeta e seus habitantes como uma grande comunidade.

PUBLICIDADE

Também, lá compreenderiam a necessidade de um projeto de desenvolvimento abrangente, que contemplasse a existência, com qualidade, de todas as espécies.

Saberiam quando podar e quando plantar, e quando investir, e quando criar ambientes de proteção.

Compreenderiam que a beleza é fruto da harmonia, que se um elementos do jardim desvanecesse, a beleza, no todo, desapareceria.

Compreenderiam que administração é distribuição equânime.

Este aprendizado tornaria a espécie humana zeladora fiel da criação, segundo os parâmetros do criador.

O grande objetivo da humanidade seria manter o Planeta Éden como lugar de delícias, fazendo jus ao significado do nome dado pelo criador.

Nossa ruptura com o Criador inaugurou uma série de rupturas, a ruptura com a criação tem se mostrado a mais destruidora.

Temos a urgência da Amazônia que caminha, celeradamente, para o fim, com a agravante incontornável, de que o fim da Amazônia é o fim da vida na porção seca do Planeta.

Recai sobre os  brasileiros e brasileiras a responsabilidade maior.

Como não aprendemos a manter o Planeta como um lugar de delícias, temos de correr, e muito, para que não seja o fim.

TEMOS DE PARAR O DESMATAMENTO, TEMOS DE SALVAR A AMAZÔNIA E OS DEMAIS BIOMAS!

TEMOS DE RECONHECER O DÉBITO QUE TEMOS COM OS POVOS DA FLORESTA!

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email