O Exército pode recolher as urnas

Em três anos, Bolsonaro conseguiu a proeza de fazer com que o Exército fosse corrompido e desmoralizado diante da opinião pública

www.brasil247.com -
(Foto: Marcos Corrêa/PR | Reuters)


O ministro da defesa, Paulo Sérgio, general do Exército brasileiro, ameaçou a democracia dizendo que as Forças Armadas irão “auditar as urnas, com ou sem aval do Tribunal Superior Eleitoral”, o que significaria a tutela do TSE pelos militares. 

Em três anos, Bolsonaro conseguiu a proeza de fazer com que o Exército fosse corrompido e desmoralizado diante da opinião pública. O mesmo exército que em 2018 não permitiu a manobra de um juiz federal, que havia concedido liminar em ação popular questionando a segurança e a credibilidade das urnas. 

Embora muitos pensem o contrário, as instituições estão fragilizadas, o funcionamento constitucional dos poderes está abalado. O Poder Executivo questiona a legislação eleitoral e rivaliza com a Justiça Eleitoral. Esse tipo de interferência não é próprio de uma democracia. 

Vários sinais estão sendo dados, como o ‘apagão’ no sistema de votação da PEC do ‘desespero’ na Câmara, que foi uma manobra para evitar que o ‘estado de emergência’ não fosse aprovado, mas que pode ser usado para tumultuar e acirrar a discussão sobre a invulnerabilidade das urnas, trazendo dúvidas à população. 

Os ministros do STF e TSE falam abertamente sobre a possibilidade de Bolsonaro ter plano para impedir as eleições de outubro, admitem que pode haver tentativa de contagem de votos paralela. 

Se Bolsonaro e militares continuarem atacando, se as instituições e a sociedade organizada não se mobilizarem, se ficarem contando com a influência de Anitta nas redes sociais, corremos o risco real dos tanques de guerra recolherem as urnas ao final do primeiro turno. 

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email