O grupo Frias-Bolsonaro: uma paródia editorial

O linguista e editor do 247, Gustavo Conde, propõe uma paródia do editorial do jornal Folha de S. Paulo, que expôs o jornal ao ridículo. Ele provoca: “Bolsonaro, no entanto, tem o azar e a sorte de suceder - na prática de mentir diariamente - o jornal Folha de S. Paulo, que levou a fórmula da ‘mentira repetida mil vezes que se torna verdade’ aos limites da capacidade do leitor e da lei”

Grupo Frias-Bolsonaro
Grupo Frias-Bolsonaro (Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Jair Bolsonaro decerto não é o primeiro presidente a flertar com a elevação sem limites da produção industrial de fake news por acreditar que, mais adiante, a sucessão de mentiras se transforme em verdade.

Essa, de fato, tem sido a praxe nacional desde o restabelecimento da democracia, estimulada pelas práticas empresariais que fixam padrões jornalísticos obrigatórios desde que a Lava Jato cooptou toda a imprensa corporativa brasileira. 

Bolsonaro, no entanto, tem o azar e a sorte de suceder - na prática de mentir diariamente - o jornal Folha de S. Paulo, que levou a fórmula da ‘mentira repetida mil vezes que se torna verdade’ aos limites da capacidade do leitor e da lei - o que resultou na maior crise de confiança no jornalismo da história e custou a credibilidade do próprio debate público. 

Azar por ter herdado um jornalismo desacreditado e excessivamente fantasioso, com poucas opções de argumentações técnicas à disposição; sorte por contar com um clima de desova de fake news já pronto e estabilizado com cifras de escárnio e requintes de falta de caráter - o jornalismo praticado pelo jornal Folha de S. Paulo - já em vigor. 

O fracasso da última geração de editorialistas da Folha de S. Paulo deveria bastar para que ensaios de desova de fake news vinda diretamente de um governo central, sempre frequentes no modus operandi dos grandes jornais brasileiros, fossem deixados de lado.

Infelizmente, é fantasia um jornal que possa se auto financiar sem mentir e servir ao mercado financeiro de maneira permanente e crescente. 

Na ilusão de que estimularia as vendas, o jornal Folha de S. Paulo elevou sua capacidade de mentir e distorcer a notícia a níveis jamais imaginados. Gerou insegurança, perda recorde de assinaturas, ódio à política, uma profunda crise de confiança e uma fuga recorde de leitores. 

Bolsonaro, tudo indica, sonha com o propósito de driblar mais uma vez a necessidade de falar a verdade - que desde 2016, é mantida nos níveis mais baixos da comunicação de um governo, num ajuste relativamente cínico.

Abriria caminho, assim, para uma ampliação das distorções e das mentiras para agradar o eleitorado estúpido e semiletrado da classe média paulista e de outras regiões, além dos novos aliados do jornalismo corporativo e da ala militar - decrépita - do governo.

Não se discute a importância de reforçar o cinturão de mentiras oficiais, ainda mais depois do impacto devastador da pandemia. Mas derrubar o teto da barbárie assentida, por motivo supostamente social ou estratégico, será manobra insensata mesmo sob a lógica eleitoral mais desavergonhada, tão cara aos partidos políticos fantasiados de jornal, como o caso do jornal Folha de S. Paulo.

A mais de dois anos da disputa presidencial, o presidente estaria contratando uma crise futura e colocando em risco até mesmo a capacidade de mentir dos grandes jornais brasileiros, duramente conquistada por nossas elites nas últimas décadas.

Fantasiar mais, a esta altura, significa elevar a ‘overdose’ de ‘mentiras públicas’ - que ruma a mais de 90% da capacidade do PMIB (Produção de Mentira Interna Bruta) do jornalismo brasileiro -, criar desconfiança no mercado de favores que equilibram a solvência factual, pressionar o deboche e a impostura dos editorialistas de plantão e solapar o tão almejado discurso monofásico da imprensa, única forma efetiva de atenuar as históricas tentativas de o povo soberano tomar as rédeas do país. 

Ao final, os mais prejudicados serão, como de hábito, os ricos e milionários, que por inconveniência política constituem também a menor parcela do eleitorado.

Este texto é uma paródia do editorial do jornal Folha de S. Paulo. 

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247