O mapa da guerra na Ucrânia: a grande batalha acontece no sul

A Rússia tenta criar, na região do Mar Negro e do Mar de Azov, um corredor terrestre que ligue a Península da Criméia às regiões autônomas de Donetsk e Lugansk

www.brasil247.com -
(Foto: REUTERS/Dado Ruvic)


O mundo observa atento o cerco a Kiev, capital ucraniana. Mas é no sul do país que as tropas de Vladimir Putin podem colher vitória mais significativa nos próximos dias.

Desde o início da guerra, a Rússia tenta criar, na região do Mar Negro e do Mar de Azov, um corredor terrestre que ligue a Península da Criméia (sob controle de Moscou desde 2014) às regiões autônomas de Donetsk e Lugansk.

mapa

A nordeste da Criméia, os russos já conquistaram as áreas de Melitopol e Berdyansk; agora, cercam o porto estratégico de Mariupol - defendido pelo Batalhão Azov, agrupamento neonazista incorporado ao exército ucraniano.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na direção noroeste, seguindo o litoral do Mar Negro, os russos dominaram Kherson e tentam capturar Mykholaiv, aproximando-se da batalha decisiva pelo controle da histórica cidade de Odessa, onde Eiseinstein rodou o histórico filme Encouraçado Potenkin (a famosa cena das escadarias foi gravada no cenário que é um dos pontos turísticos da cidade, que agora se prepara para um combate decisivo).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Se Putin ganhar a batalha de Odessa, pode cumprir dois objetivos:

- criar um extenso território pró Rússia, que vai das repúbicas autônomas de Donetsk e Lugansk, passando por Mariupol, Criméia, Odessa, e terminando na região da Transnítria - estreito enclave na Moldávia, onde cerca de 500 mil pessoas vivem sob governo alinhado a Moscou e não à lei moldava;

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

- fechar o acesso da Ucrânia ao Mar Negro.

Por que esses dois objetivos seriam tão importantes?

Ora, muita gente tem dito que Putin errou ao entrar na Ucrânia porque, mesmo derrotando o Exército inimigo, ficaria com a ingrata tarefa de administrar um país ocupado.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

E se a estratégia de Putin não for ocupar, mas desossar e fatiar a Ucrânia?

Sem saída para o mar, uma Ucrânia pós conflito perderia peso geopolítico, mesmo se conseguisse manter um governo independente.

A negociação para retirada das tropas russas, se vier, ocorrerá sobre nova situação real construída a partir do campo de batalha. Putin poderia se retirar, após destruir a infra estrutura econômica e militar do vizinho, mas manteria um colchão territorial no sul e no leste da Ucrânia, como margem de segurança.

Uma "nova" Ucrânia, desossada e mais fraca, pode até sonhar ainda com o ingresso na Europa. Mas terá outro mapa, e outro peso político.

Se a estratégia de Putin vingar no sul, a OTAN terá que buscar outras porções da Europa para fustigar a Rússia: talvez ao norte, na Finlândia.

Os russos terão conquistado uma vitória geopolítica e militar importante, mas a um custo dramático para a economia e a imagem do país no chamado mundo ocidental. 

Putin se encaminhará para o trecho final de seu longo percurso político como o estadista que tirou a Rússia da Europa e a colocou como aliada subordinada ao projeto chinês. A China, esta sim, parece ser a única grande vencedora da Guerra da Ucrânia até aqui. Uma guerra que desgasta a Rússia, expõe a decadência da Europa e a dificudade dos EUA de controlar o mundo como única potência. Além de destruir a Ucrânia e deslocar mais de 1 milhão de pessoas para as nações vizinhas.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email