O mapa da guerra na Ucrânia: a grande batalha acontece no sul

A Rússia tenta criar, na região do Mar Negro e do Mar de Azov, um corredor terrestre que ligue a Península da Criméia às regiões autônomas de Donetsk e Lugansk

www.brasil247.com -
(Foto: REUTERS/Dado Ruvic)


O mundo observa atento o cerco a Kiev, capital ucraniana. Mas é no sul do país que as tropas de Vladimir Putin podem colher vitória mais significativa nos próximos dias.

Desde o início da guerra, a Rússia tenta criar, na região do Mar Negro e do Mar de Azov, um corredor terrestre que ligue a Península da Criméia (sob controle de Moscou desde 2014) às regiões autônomas de Donetsk e Lugansk.

mapa

A nordeste da Criméia, os russos já conquistaram as áreas de Melitopol e Berdyansk; agora, cercam o porto estratégico de Mariupol - defendido pelo Batalhão Azov, agrupamento neonazista incorporado ao exército ucraniano.

Na direção noroeste, seguindo o litoral do Mar Negro, os russos dominaram Kherson e tentam capturar Mykholaiv, aproximando-se da batalha decisiva pelo controle da histórica cidade de Odessa, onde Eiseinstein rodou o histórico filme Encouraçado Potenkin (a famosa cena das escadarias foi gravada no cenário que é um dos pontos turísticos da cidade, que agora se prepara para um combate decisivo).

Se Putin ganhar a batalha de Odessa, pode cumprir dois objetivos:

- criar um extenso território pró Rússia, que vai das repúbicas autônomas de Donetsk e Lugansk, passando por Mariupol, Criméia, Odessa, e terminando na região da Transnítria - estreito enclave na Moldávia, onde cerca de 500 mil pessoas vivem sob governo alinhado a Moscou e não à lei moldava;

- fechar o acesso da Ucrânia ao Mar Negro.

Por que esses dois objetivos seriam tão importantes?

Ora, muita gente tem dito que Putin errou ao entrar na Ucrânia porque, mesmo derrotando o Exército inimigo, ficaria com a ingrata tarefa de administrar um país ocupado.

E se a estratégia de Putin não for ocupar, mas desossar e fatiar a Ucrânia?

Sem saída para o mar, uma Ucrânia pós conflito perderia peso geopolítico, mesmo se conseguisse manter um governo independente.

A negociação para retirada das tropas russas, se vier, ocorrerá sobre nova situação real construída a partir do campo de batalha. Putin poderia se retirar, após destruir a infra estrutura econômica e militar do vizinho, mas manteria um colchão territorial no sul e no leste da Ucrânia, como margem de segurança.

Uma "nova" Ucrânia, desossada e mais fraca, pode até sonhar ainda com o ingresso na Europa. Mas terá outro mapa, e outro peso político.

Se a estratégia de Putin vingar no sul, a OTAN terá que buscar outras porções da Europa para fustigar a Rússia: talvez ao norte, na Finlândia.

Os russos terão conquistado uma vitória geopolítica e militar importante, mas a um custo dramático para a economia e a imagem do país no chamado mundo ocidental. 

Putin se encaminhará para o trecho final de seu longo percurso político como o estadista que tirou a Rússia da Europa e a colocou como aliada subordinada ao projeto chinês. A China, esta sim, parece ser a única grande vencedora da Guerra da Ucrânia até aqui. Uma guerra que desgasta a Rússia, expõe a decadência da Europa e a dificudade dos EUA de controlar o mundo como única potência. Além de destruir a Ucrânia e deslocar mais de 1 milhão de pessoas para as nações vizinhas.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247