O mercado financeiro gerando crises na economia real

Como tantas vezes dentro do capitalismo, assinala-se um processo de perdas no mercado de ações fruto da redução de 1800 pontos nos últimos dois pregões do Dow Jones. O sentimento é de temor de estarmos na porta de um novo período de desvalorização continuada como em 2008

Como tantas vezes dentro do capitalismo, assinala-se um processo de perdas no mercado de ações fruto da redução de 1800 pontos nos últimos dois pregões do Dow Jones. O sentimento é de temor de estarmos na porta de um novo período de desvalorização continuada como em 2008
Como tantas vezes dentro do capitalismo, assinala-se um processo de perdas no mercado de ações fruto da redução de 1800 pontos nos últimos dois pregões do Dow Jones. O sentimento é de temor de estarmos na porta de um novo período de desvalorização continuada como em 2008 (Foto: Túlio Ribeiro)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Como tantas vezes dentro do capitalismo, assinala-se um processo de perdas no mercado de ações fruto da redução de 1800 pontos nos últimos dois pregões do Dow Jones. O sentimento é de temor de estarmos na porta de um novo período de desvalorização continuada como em 2008.

Para sublinhar este problema, no campo da visão neoliberal, encontramos algumas razões. A mais presente é que o período de valorização das ações desde a última eleição presidencial estadunidense ,onde a inflação se manteve baixa, levou a uma situação de quase pleno emprego nas economias centrais como EUA, Alemanha e Japão. Estas condições pode mover o " Federal Reserve" a romper o período de taxas básicas de juros baixas.

A abordagem tem como cerne a recente elevação dos salários nestes países, pelo crescimento pelo volume de vagas não estarem encontrando ofertas de mão-de-obra compatível para suprir-las.

A decisão do Banco Central em elevar a taxa básica subiria o preço de empréstimos para empresas, reduzindo seus lucros e no caso de pessoas físicas, os custos de hipotecas e financiamentos. A ascensão rápida dos juros depreciaria os ativos e por conseguinte as ações.

A rentabilidade dos títulos do tesouro dos Estados Unidos se mantiveram baixas para permitir 9 anos de recuperação. As ações que tiveram ganhos consideráveis podem sofrer uma inflexão, a medida que o mercado de bônus do Estado passe a pagar melhor. Assim , retornos atraentes em um investimento mais seguro, tornará as papéis de empresas menos convidativos.

Outro fator que corrobora com esta preocupação é que a valorização vem ocorrendo de forma continua desde novembro de 2016. Situação que poderia provocar uma cobrança dos financistas por uma correção pra baixo, tornando as ações mais baratas e permitindo um novo de ciclo de ganho, movimento comum no capitalismo.

Em que pese todo temor de "Wall Street" pela derrubada do mercado, o mundo vive um processo de acumulação de renda que demonstra como o conceito de crescimento destoa de premissas para o desenvolvimento. Esta leitura neoliberal aponta preocupação exclusiva com ascensão recente do capital, em descompasso com a situação real da maioria da população. Os Ganhos dos financistas não permitiram que os resultados fossem diluídos por outras faixas das sociedades.

Em 2017, segundo o estudo do Banco Credit Suisse, 1% mais ricos do mundo atingiram 50,1% da riqueza, onde antes da crise de 2008 detinha 42,5%. Além de demonstrar que o processo de concentração de renda se acelerou, ele aponta que o período de valorização de ações nos países centrais significou perda de participação da renda dos trabalhadores em âmbito mundial.

Outro estudo que faz eco a esta análise foi divulgado pela BBC News e realizado pela organização britânica OXFAM. A pesquisa concluiu que 82% do dinheiro gerado em 2017 foi canalizado para o 1% mais ricos da população global. Estes fatores atestam que a riqueza segue nas mãos de uma fração reduzida de endinheirados, aumentando o intervalo entre os super-ricos e os mais pobres.

A evasão fiscal, o poder dos fundos de investimentos sobre a política, supressão dos direitos trabalhistas e a busca incessante por redução de gastos públicos, impedem qualquer mudança; nos retendo numa inércia de concentração de renda. O pleno emprego e a subida de ações em nações capitalizadas não chegam as menos desenvolvidas. O sistema se reproduz da mesma forma.

Aclara-se que vivemos num paradigma onde objetivos do mercado financeiro não dialogam com os interesses da economia real. O modelo do capitalismo atual, oferta um teto para os trabalhadores intangível para alcançar seu desenvolvimento humano. O período de crescimento das economias centrais não trouxe distribuição de renda em caráter mundial. Caso o próximo movimento seja de recessão na ordem econômica, os salários tendem a baixar apenas para garantir uma nova forma de rentabilidade ao capital, trazendo mais sacrifícios aos trabalhadores.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247