O militar na berlinda

"A campanha eleitoral, oficialmente, não começou, mas o brasileiro não pensa em outra coisa", escreve o historiador

www.brasil247.com - Bolsonaro e militares dos Estados Unidos
Bolsonaro e militares dos Estados Unidos (Foto: REUTERS/Ueslei Marcelino | Shutterstock)


A maioria não decide o voto a partir de avaliação de programas partidários. Temas como a recuperação da capacidade do Estado de impulsionar a economia, garantir educação de qualidade, cuidar da saúde, estimular o desenvolvimento científico e tecnológico, conduzir a política externa, proteger o meio ambiente e assegurar a defesa militar pouco dizem a quem não tem como se alimentar e morar decentemente, encontrar emprego e proteger-se da bandidagem.

A maioria observa a qualificação moral do candidato, avalia sua honestidade e imagina sua possibilidade de atender as demandas mais gritantes. Observa, também, seus amparos mais vistosos. 

No caso do atual presidente, que pretende a reeleição, destacam-se os militares. Com o aval dos comandantes, o mandatário vinculou sua imagem às fileiras, hoje percebidas como privilegiadas pela bondade governamental. A carreira de oficial está em alta, tal como depois da queda de dom Pedro Segundo, como anotou Renato Lemos, biógrafo de Benjamin Constant. 

Nos últimos anos, os comandantes entraram na chuva sabendo que se molhariam. Expuseram irresponsavelmente suas corporações. O mando político tem ônus e bônus. A farda hoje sofre com as pilhérias relativas a honestidade de propósito e a virilidade de seus integrantes. O esforço sistemático de décadas para firmar boa imagem vira fumaça diante sátiras arrasadoras.

Mas a exposição ao ridículo não deixa de ser vantajosa para as fileiras: evitam questionamentos mais difíceis do que explicar a licitação de compras de medicamentos para a disfunção sexual ou lubrificantes íntimos.

Por que, recebendo volumosos recursos, as corporações militares ainda dependem tão profundamente de complexo industrial-militar estrangeiro para se equipar?

Estas aquisições servem mesmo à defesa do Brasil ou, ao contrário, reforçam o poderio de potências que pretendem manter multissecular domínio sobre os povos?

O que explica o fato de o Brasil, com sua razoável capacidade científica, tecnológica e industrial e com seus pesados gastos com as corporações militares não produzir elementos básicos como mísseis, escudos antimísseis, aviões que funcionem sem equipamentos importados, sistema de vigilância espacial, defesa cibernética, submarinos...?

Para que servem, finalmente, escolas de excelência como o IME e o ITA?

Por que manter o serviço militar obrigatório se a composição da tropa apresenta, em essência, o perfil do século XIX? Apenas os sem-oportunidade de coisa melhor são recrutados pelas corporações. 

Como justificar um quadro de generais tão numeroso e oneroso? Não estão mais que vencidas as abomináveis tradições de recrutamento endógeno e de estimular a homofobia?

A fileiras viverão eternamente caçando homens e mulheres que lutam por reformas sociais? Até quando persistirão justificando o abate de patriotas que exerceram o sagrado dever de lutar contra a tirania? Quando começarão mesmo a se preparar para o confronto com o estrangeiro cobiçoso?

Entretendo-se com o incrível talento dos chargistas, o brasileiro não se dá conta de que mantêm corporações caríssimas, mas incapazes de defendê-lo e garantir que as riquezas nacionais sirvam aos que suaram para construir esse país.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247