O nacionalismo de Sérgio Moro

O xenófobo que quer fechar fronteiras a imigrantes é rotulado de nacionalista

www.brasil247.com - Sergio Moro em evento de filiação ao Podemos, em Brasília
Sergio Moro em evento de filiação ao Podemos, em Brasília (Foto: eprodução/YouTube)


Ouvir Sérgio Moro lendo um discurso longo e inodoro como o de sua filiação ao Podemos é um teste de sobrevivência ao tédio. Um centenário jornal da gloriosa Sorocaba encontrou teor “nacionalista” no palavrório do ex-juiz. Sem desdenhar dos valorosos colegas da cidade paulista em que este jornalista tem raízes, nenhuma análise daquilo poderia ser mais inapropriada.

Não há conceito único de nacionalismo. O xenófobo que quer fechar fronteiras a imigrantes é rotulado de nacionalista. Também é chamado assim quem defende alguma dose de protecionismo para desenvolver a indústria nacional.

Não se sabe o que Moro pensa sobre recepcionar imigrantes, mas é conhecida a relação dele com a indústria nacional – a de petróleo e derivados, por exemplo. A Petrobras lida com riqueza extraída do subsolo brasileiro, ouro preto que pertence ao povo e que, desde o governo usurpador de Michel Temer, escoa para mãos multinacionais.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Com a sua Operação Lava Jato, Moro foi decisivo para a descaracterização da Petrobras como empresa estratégica para o desenvolvimento nacional. Além disso, no soporífero discurso de 10 de novembro, o ex-magistrado praticamente anunciou que, uma vez no comando do país, privatizará quase tudo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O que deu no jornal sorocabano?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Moro e a Lava Jato, operada por Deltan Dallagnol e seus meninos, também destroçou uma empresa brasileira do porte da Odebrecht, adotando medidas judiciais não apenas contra seus diretores corruptos, mas contra a companhia, como se CNPJs cometessem crimes. Com a queda da Odebrecht, milhares de empregos desapareceram e o país perdeu protagonismo global em obras de engenharia.

Pode-se afirmar, sem medo de errar, que a Operação Lava Jato constituiu um movimento antinacionalista. Ou terá sido por acaso que Moro, após pular do barco bolsonarista, virou sócio-diretor da Alvarez & Marshal, consultoria americana especializada em “reestruturação corporativa”, ou seja, em limpar a barra de empresas ficha-suja?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Nacionalistas no bom sentido também costumam prezar pela soberania e a independência nacionais, tanto mais quanto a seus órgãos judiciais, como a Polícia Federal. Ministro da Justiça de Bolsonaro, Sérgio Moro, ao lado de Maurício Valeixo, então diretor da PF, assinou acordos com o FBI ampliando a influência americana em diferentes áreas de combate ao crime, “incluindo a presença dos agentes estrangeiros em um centro de inteligência na fronteira, investigações sobre corrupção e acesso a dados biométricos brasileiros”, como noticiou a Agência Pública.

Como sabem os informados, entre os quais não se enquadram alguns jornalistas sorocabanos, o FBI não tem jurisdição no Brasil.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email