O presidente do Senado e os vários tons do colaboracionismo com o fascismo

A decisão do presidente do Senado de programar a CPI do MEC apenas para depois da eleição é mais um matiz do colaboracionismo institucional com o fascismo

www.brasil247.com - Jair Bolsonaro e Rodrigo Pacheco
Jair Bolsonaro e Rodrigo Pacheco (Foto: Reuters/Adriano Machado)


Jeferson Miola                                

A decisão do presidente do Senado Rodrigo Pacheco de programar a CPI do MEC apenas para depois da eleição é mais um matiz dos vários tons do colaboracionismo institucional com o fascismo. Um colaboracionismo que pode ser inconsciente, pode ser por ingenuidade ou, então, por opção e adesão deliberada.

Na prática, com esta decisão abusiva e francamente inconstitucional, Pacheco sabotou a CPI e, portanto, implodiu a possibilidade de qualquer investigação sobre a roubalheira no MEC em nome de deus.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Pacheco não deve ser equiparado a colaboracionistas devotos como o presidente da Câmara Arthur Lira, ou como o procurador-geral da República Augusto Aras e os ministros do STF André Mendonça e Kássio Nunes Marques.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Mas, apesar de não ter carteirinha de sócio do “clube” e de ostentar uma aura aristocrática e liberal-democrática, testemunhamos situações e momentos cruciais, desfavoráveis ao governo fascista-militar, em que Pacheco se posicionou de acordo com as conveniências e os interesses estratégicos de Bolsonaro e dos generais.

Foi assim, por exemplo, quando ele relutou ao máximo para impedir a instalação da CPI da COVID, e está sendo assim em relação à roubalheira praticada por charlatães no MEC.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Pacheco justifica que é para evitar “a contaminação das investigações pelo processo eleitoral” e a exploração político-partidária, como se o Senado fosse um convento, não uma Casa legislativa e de disputa de poder.

As ascensões de Mussolini ao poder na Itália dos anos 1920, assim como de Hitler na Alemanha dos anos 1930 se deram por dentro das respectivas institucionalidades estabelecidas e das correspondentes rotinas eleitorais.

Nem Mussolini nem Hitler tomaram de assalto o poder. A evolução das democracias débeis e enfermas para regimes totalitários e bárbaros que resultaram na Alemanha nazista e na Itália fascista se deu de modo gradual, progressivo, a partir de rupturas incrementais e constantes.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Rupturas ingenuamente toleradas e consentidas – isso quando não apoiadas ardorosamente pelo empresariado, mídia, partidos de direita, judiciário e elites nacionais.

A complacência com o fascismo, independentemente do estágio de desenvolvimento – seja desde sua germinação inicial, como foi a candidatura do Bolsonaro em 2018, até momentos avançados, como a candidatura dele à reeleição neste ano – é uma opção asquerosa e eticamente inaceitável.

Com fascismo não se brinca, não se hesita, não se tergiversa e não se transige. Diante do fascismo, o maneirismo hipócrita e o cretinismo parlamentar tornam-se posturas ainda mais repugnantes que são em tempos menos tenebrosos que os atuais.

Contra o fascismo é preciso aplicar o máximo rigor da democracia e das armas do Estado de Direito, especialmente quando se trata de desmascarar suas mentiras, suas corrupções e seus métodos enganosos de exercício do poder.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email