O segredo do médico

www.brasil247.com - Antônio Luiz Macedo e Jair Bolsonaro
Antônio Luiz Macedo e Jair Bolsonaro (Foto: Reprodução)


Enquanto baianos e mineiros sofriam debaixo d'água em razão das enchentes, o Micto divertia-se em férias sem fim entre a gente catarinense, em passeios de jet-ski, iates e giros de automóvel. Desfrutou da mamata em grau tão elevado que ficou todo cheio de si e entupiu. Não conseguiu mais defecar, embora seja o que ele melhor saiba fazer no dia-a-dia.

Acostumado a excretar pela boca, o relativo silêncio que lhe foi imposto após o traquezinho do 7 de Setembro, anunciado aos céus e terras como uma bomba nuclear, fez com que o despresidente se tornasse cada vez mais enfezado. Leia-se, mais carregado de fezes, mais cheio de si.

Resultado: Sua Excrescência foi parar no hospital. Reuniram-se dezenas de médicos e nenhum conseguiu desentalar o esgoto acumulado nos intestinos presidenciais. Tiveram de recorrer ao profissional que o atendera por ocasião da "fakeada" que lhe dera Adélio em Juiz de Fora. 

Como uma diarreia que não se estanca, o mal explicado evento tem rendido infinitas desculpas e simpatias ao excrementíssimo que lhe têm servido para recuperar uns pontos positivos a cada vez que sua popularidade despenca nas pesquisas de opinião e de intenção de voto. 

Correu à boca pequena que a razão da preferência pelo renomado oncologista devia-se à sua capacidade de guardar segredos. O Micto sabe que o doutor não é um boca mole. Não vai dar com a língua nos dentes, portanto. Ledo engano. A razão é bem outra. 

Interromperam-lhe as férias em Bahamas.  Mandaram um avião buscá-lo. Ao chegar, o doutor correu ao quarto do moribundo, que choramingava feito guria fruto de fraquejada achando que de fato estava a desfalecer. 

O médico mal cumprimentou os colegas e familiares do enfermo aglomerados em torno do leito, no qual o constipado gemia em dolorosos mimimis. 

Como um verdadeiro esculápio brasileiro, o profissional nem pôs a mão no corpo do paciente. Abriu a maleta, remexeu uns papéis, retirou algo parecido com uma fotografia e a mostrou ao indefecável. O Micto olhou e quase teve uma síncope, tal o susto que levou. Borrou-se todo e tingiu de marrom o lençol. Aliviou-se, enfim, da constipação, ao custo de empestear o ar de todo o hospital e adjacências. 

O médico saiu como entrou, sem dizer palavra. Só mais tarde foi que, ao lado do paciente já recuperado, concedeu entrevista em que afirmou que o mal-estar devera-se a um camarão mal comido. Era para mastigar quinze vezes, mas o guloso engasgou na treze.

Os jornalistas começaram a especular se, tendo ocorrido tamanho desconforto nacional por conta de um singelo camarão, como haveria de ser com Lula. O médico sorriu,  embora ninguém tivesse notado. "Não dá para comparar. Os efeitos adversos são diversos", balbuciou, já saindo.  Nenhum dos repórteres entendeu o comentário. 

A senhora que fez a higiene do quarto ocupado pelo esmerdeado estranhou a fotografia que encontrou esquecida sob a cama. Era a imagem de Lula, com as coxas expostas coroadas por uma saliência colossal logo acima. Definitivamente, um santo remédio.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247