Os cem anos de Brizola (II)

“Um caráter firme e inteiro, irredutível, uma vontade inoxidável de mudar o Brasil”, diz o jornalista Eric Nepomuceno

www.brasil247.com - Exilado por 15 anos no Uruguai durante o período da ditadura, Brizola voltou ao Brasil em 1979
Exilado por 15 anos no Uruguai durante o período da ditadura, Brizola voltou ao Brasil em 1979 (Foto: Divulgação/PDT)


Por Eric Nepomuceno, do Jornalistas pela Democracia

Trago nítidas e intocáveis na memória as características principais de Leonel Brizola, que estaria completando cem anos neste tumultuado 2022: um caráter firme e inteiro, irredutível, uma vontade inoxidável de mudar o Brasil tendo como foco principal a educação e as reformas de base que até hoje não foram feitas, a começar pela reforma agrária, e a extrema lealdade não apenas aos seus compromissos, mas também aos companheiros.

Compreendi tudo isso em nossos primeiros encontros, e o tempo passado ao seu lado – foram 26 anos – não fez mais que consolidar essa minha certeza.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Não trabalhei em seus governos, nunca fiz parte do PDT que ele criou e liderou: a nossa era uma relação pessoal, de amizade e não de militância.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em compensação, trabalhei muito para ele, principalmente na preparação da sua volta do exílio e da ressurreição do antigo PTB, o Partido Trabalhista Brasileiro, sigla herdada de Getúlio Vargas e Jango e roubada pelo general Golbery do Couto e Silva, que entregou para Ivete Vargas. 

Foi uma espécie de vingança cruel. Dos líderes exilados, Brizola era, de longe, o mais forte e destemido, e por isso mesmo o mais odiado pela ditadura. Voltar ao Brasil com a bandeira do partido de Getúlio era demais. Brizola sentiu o baque, é claro, mas seguiu em frente.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Depois de ter promovido em Lisboa, em meados de 1979, um grande encontro de exilados das mais diversas correntes para justamente recriar o PTB, ele juntou tudo que tinha sido armado e criou seu novo partido. Voltou e se elegeu governador do Rio de Janeiro pela segunda vez (aliás, vale ressaltar que ele foi o único a ser eleito governador, isso antes da ditadura, em dois estados – o seu Rio Grande do Sul e o mesmo Rio de Janeiro). e, para desespero dos oligarcas de sempre, montou aquela que deveria ser a base de todas as reformas que pretendia, quando chegasse a vez, de implantar pelo Brasil afora, a começar pela educação. 

Nas eleições de 1986, e demonstrando uma ingratidão e uma ignorância olímpicas, o eleitorado deixou seu candidato, Darcy Ribeiro, em segundo lugar, elegendo um sacripanta ordinário chamado Wellington Moreira Franco. E a primeira coisa que ele fez foi justamente abandonar os 500 CIEPs, as escolas públicas em tempo integral, que davam aos alunos pobres ou miseráveis além de aulas refeições, acesso a serviços médicos, a dentistas, tinham bibliotecas, quadras de esporte e, para horror supremo dos oligarcas, piscina.

Brizola bem que tentou a presidência, em vão.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Até hoje convivo com a amarga certeza de que em 1989, primeiras eleições diretas depois da ditadura, ele e não Lula tivesse ido para o segundo turno com um cafajeste bandoleiro chamado Fernando Color de Melo, ganhava. E o Brasil hoje seria muito diferente dessa desgraça que é.

Lembro, sim, da determinação dele quando saiu do exílio uruguaio e começou a circular pela Europa. 

Naquela época respirava-se no ar a perspectiva de uma anistia, que acabou saindo em 1979. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Nas cidades europeias, principalmente em Lisboa e Paris, havia várias divisões entre os exilados brasileiros. Talvez por isso Brizola e Darcy tenham escolhido Madri para reuniões mais que discretas não apenas com políticos locais que contribuíam para reconstruir a Espanha depois do fim do sangrento franquismo, mas também com políticos que iam do Brasil se reunir com eles. É que a única colônia de brasileiros na capital espanhola era absolutamente unida: Martha, eu e o nosso Felipe, que na época tinha dois anos.

Foram, sim, muitas as missões que cumpri lá, e depois de 1979, no México, onde tinha ido parar.

E foi desse tempo que minha admiração e meu respeito por Brizola se consolidou, e assim preservo sua memória.

Já não temos mais dirigentes políticos da estatura e da grandeza não só de Leonel Brizola, mas também de muitos de seus contemporâneos, os adversários inclusive. 

Há apenas um herdeiro dessa trincheira, e se chama Lula da Silva. Nada mais restou. Seu PDT virou isso que está aí, e o resto é pura lembrança.

 

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email