Os saudosistas da carnificina atômica e a provocação de Nancy Pelosi

Bombas atômicas sobre Hiroshima e Nagasaki foi perpetração do mais vil, cruel e satânico crime já praticado por seres humanos contra outros seres humanos

www.brasil247.com - Bomba atômica jogada em Hiroshima pelos EUA em 1945
Bomba atômica jogada em Hiroshima pelos EUA em 1945


Por Jair de Souza

No passado 5 de agosto, comemoramos (comemorar não é celebrar) 77 anos da perpetração do mais vil, cruel e satânico crime já praticado por seres humanos contra outros seres humanos.

Evidentemente, estou fazendo referência ao lançamento por parte dos Estados Unidos de uma bomba atômica sobre a população civil da cidade japonesa de Hiroshima, a qual foi seguida, alguns dias depois, com outra sobre Nagasaki.

Foram cerca de 140.000 mortos imediatos só no primeiro caso e mais quase uma centena de milhares no segundo. Isto num momento em que o Japão já estava inteiramente incapacitado para dar continuidade à guerra. A pergunta que nunca foi satisfatoriamente respondida é: Por que se decidiu por tais atos tão anti-humanos e desnecessários do ponto de vista bélico?

O que muitos acreditam é que os alvos prioritários dessas bombas não eram de fato as forças militares do Império Japonês, as quais, como mencionáramos anteriormente, já estavam cambaleantes nesta etapa da conflagração, e sim aqueles novos adversários que os Estados Unidos viam despontar como possíveis ameaças a sua hegemonia recém consolidada: a União Soviética e a República Popular da China.

Se atentarmos para as formas típicas com as quais os fascistas-nazistas-bolsonaristas da atualidade buscam se impor nos meios em que atuam, vamos concluir que elas se derivam desta ideia de que “se você não consegue obter o respeito e a admiração de seus concorrentes, faça-os ter medo de seu poderio e de sua violência”. Portanto, na condição de único país detentor da bomba atômica, os Estados Unidos poderiam deitar e rolar num mundo submetido totalmente à sua mercê por temor.

Porém, em pouco tempo, outras potências também se assenhoraram da tecnologia nuclear para fins bélicos e os Estados Unidos perderam sua exclusividade deste privilégio de intimidação e dominação.

No entanto, por mais contraditório que possa parecer, foi a expansão a outros países dessa capacidade de causar mortes por via nuclear que veio a permitir um certo equilíbrio capaz de impedir confrontos diretos entre as grandes potências, o que tenderia a implicar em destruição mútua delas mesmo e de toda a humanidade a seu reboque. Foi assim que, passamos a pensar que jamais voltaríamos a vivenciar os horrores diabólicos do extermínio nuclear como tinha ocorrido em Hiroshima e Nagasaki.

Bem, a coisa andava neste pé até há bem pouquinho. Mas, eis que chegou Nancy Pelosi!

Embora possa soar como uma fantasia algo exagerada para alguns, a verdade é que, com sua viagem provocativa a Taiwán, a presidenta da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, deu uma contribuição das mais significativas para tornar factível a deflagração da Terceira Guerra Mundial, a qual passou a ser uma possibilidade muito mais realística do que até então ousávamos imaginar.

Por que uma senhora de 82 anos de idade, com mais de cinco décadas de envolvimento com a política institucional tomou a decisão de partir para esse ato de provocação que está colocando o mundo à beira de uma hecatombe nuclear, se nem mesmo o presidente de seu próprio país admite abertamente apoiá-la em seu feito? O que ela esperava conseguir a partir de sua tresloucada atitude?

As respostas para esta indagação é o que se pretende descobrir no debate apresentado neste vídeo do link, para o qual fiz a tradução ao português e elaborei as legendas.

Creio ser muito oportuno vê-lo com atenção e refletir sobre as questões ali levantadas.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247