Os tons da guerra

www.brasil247.com - Um civil treina para jogar coquetéis molotov para defender a cidade, em Zhytomyr, em 1º de março
Um civil treina para jogar coquetéis molotov para defender a cidade, em Zhytomyr, em 1º de março (Foto: REUTERS/Viacheslav Ratynskyi)


Com base no que aconteceu na luta contra o nazismo, Svetlana Aleksiévitch disse que a guerra “não tem rosto de mulher”. Conta uma de suas entrevistadas: “Passei três anos na guerra... E, nesses três anos, não me senti mulher. Meu organismo perdeu a vida. Eu não menstruava, não tinha quase nenhum desejo feminino. E era bonita...” A observação parte do pressuposto de que os conflitos possuem características específicas, estilos, personalidades, traços e modos de se manifestar. Não parece improvável. Desde 1945, assistimos a vários embates de tropas, só que localizados, situações que afligiam gente longínqua, de faces obscuras. Entre as mais recentes, para não falar da Coreia ou do Vietnã, vivemos a do Iraque, do Afeganistão, da Síria, da Líbia e da Palestina, distantes, no entanto, nos ecos de sua realidade. Esta, na Ucrânia, talvez por que se passe na Europa, põe frente a frente blocos ideológicos, como se, mais uma vez, desde as Cruzadas, o Ocidente enfrentasse o Oriente, uma falácia, já que os Estados Unidos e a Rússia, no velho Atlas, se acham no mesmo pedaço do Planeta.

É verdade, seguindo a pista de Aleksiévitch, que as guerras, se não se apresentam com um rosto, apresentam-se com marcas ou tons próprios. O que era para ser localizado, uma vez que engloba apenas dois países, ultrapassa fronteiras e se internacionaliza, com as TVs e emissoras de rádio, além de jornais em uníssono, como se estivéssemos, de fato, à beira de uma catástrofe de proporções quase nucleares. O tom que emerge dos campos de batalha não condiz com o drama, nem com a comédia ou a tragédia, e sim com uma espécie de adrenalina, capaz de estragar o café da manhã nos quatro cantos do mundo. Os brasileiros, que se habituaram a conflitos armados nos seus bairros ou em embates com a polícia, sentem-se envolvidos, engajados, senão nos seus exércitos, nas opiniões que passamos a emitir e numa falta de controle fora do comum. O que ocorreu com as declarações do deputado estadual Arthur do Val, expressando-se sobre as ucranianas, soa como uma incontinência verbal a que se fez afeito dentro de um quadro político no qual chegou longe. Subiu e agora começa a cair por falta de compostura. Deve estar espantadíssimo. Mostrava-se contente, realizado, viajado, cercado de prestígio e, de uma hora para outra, fere os rigores da execração pública. Até Bolsonaro teria considerado nojentas as suas considerações - e o homem se inclina em favor dos excessos! Os episódios envolvendo Maria do Rosário, Marielle Franco e muitas jornalistas ainda estão frescos em nossa memória...

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O parlamentar se revelou pequeno, aquém do cargo que exerce e deve ser punido. Por todos, e não apenas pelas mulheres a quem, até então, julgava “fáceis”. Mas não nos espantemos. Tudo isto com certeza tem a ver com a espécie de embriaguez de uma guerra que, em princípio, não é nossa e passa a ser, diante da mobilização internacional que desencadeia nas planilhas econômicas controladas pelos nossos irmãos do norte. Que o tom dessa sinfonia desafine, transformando-se num espetáculo de dodecafonia extemporâneo, não nos choca. Nas ruas, nas escolas, nos parlamentos, nas discussões de botequins, sabe-se que desafinar faz parte do atual momento político. Para nós, que buscamos a harmonia, trata-se de uma constatação que não apazigua. E não pode apaziguar. Afinal, não é seguro que, nos silos onde se encontram, os artefatos nucleares continuem descansando. Esperamos que assim permaneçam. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email