Partido Militar fabrica mais uma crise

"Vencer o Partido Militar será o verdadeiro desafio da sociedade civil nas eleições de 2022", destaca a colunista Carla Teixeira

www.brasil247.com - Militares
Militares (Foto: © Marcelo Camargo/Agência Brasil)


O Partido Militar é hoje o mais atuante e poderoso do nosso campo político. Militares da reserva e da ativa sentem-se à vontade para emitir opiniões políticas, ocupar cargos na administração pública e, consequentemente, matar brasileiros impunemente. Muito disso é alimentado pelo passivo deixado por nossa redemocratização acomodada e conciliada. A Lei da Anistia perdoou sequestradores, torturadores, assassinos e ocultadores de cadáveres que mobilizaram os discursos de “Pátria”, “Deus” e “Família” para manterem-se no comando de uma ditadura militar que durou 21 anos. Cessado o arbítrio, a atuação dos milicos junto ao poder civil ficou na Constituição de 1988 através do ambíguo artigo 142. Seguiram impunes e à vontade para fazer política na Nova República.

Recentemente, oficiais da ativa e da reserva apoiaram, participaram e seguem participando do governo Bolsonaro. Jair é apenas a criatura. O monstro é o seu criador (o comando do Exército) que agora quer manter aparente distância do rebento que trouxe à vida para atormentar o país. Convenceram os quartéis e a sociedade brasileira de que o verme era um mito e colheram todas as vantagens dessa manobra política: benefícios salariais e previdenciários, fatia maior de verba do orçamento (retirada da saúde e da educação) que passou à Defesa (?), sem contar os inúmeros cargos ocupados no governo e nas estatais por meio de indicação.

A verdade ululante que ecoa e alguns não querem ouvir diz que o Comando do Exército Brasileiro tem responsabilidade direta pelo genocídio em curso. Os generais permitiram que o governo se tornasse um poleiro de milicos oportunistas que ansiavam por poder e dinheiro. Ou alguém acha que o presidente da República passa na corporação e sai mobilizando oficiais para cargos civis sem a autorização do comando? Seria ingenuidade, para não dizer má fé, achar que uma instituição baseada na hierarquia, disciplina e obediência permite esse tipo de autonomia por parte dos seus integrantes.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A compra, produção e distribuição de cloroquina é só mais uma digital que o Exército deixa na sua parte de responsabilidade na atual tragédia. Ademais, é evidente que a nomeação do general Pazuello, da ativa, para o ministério da saúde contou com a aprovação dos seus superiores, aqueles que ensaiaram a farsesca crise militar de março de 2021. Naquela ocasião, a demissão do ministro da Defesa e dos três comandantes das forças armadas foi divulgada, pela mídia que apoiou a ditadura, como uma demonstração de que as forças armadas são instituições de estado, não de governo, portanto, estão comprometidas com a Constituição de 1988 e com a democracia (acredita quem quiser!).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A manobra criou a narrativa que buscava afastar a corporação do capitão, interpretando os erros como atitudes individuais que nada tinham a ver com o comando. Uma grandessíssima farsa. Não à toa, ao deixar a pasta da saúde após centenas de milhares de mortos pela covid-19, o general Pazuello anunciou “missão cumprida”. Veja, o próprio general denuncia que estava ali em missão dada por superior. (Provavelmente se referia à missão de matar o povo brasileiro, única a qual se dispõe os militares brasileiros desde as longínquas e legítimas revoltas populares do período Regencial).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Depois do show de mentiras que protagonizou em seu depoimento à CPI do Genocídio, o “gordo favorito” apareceu na “motociata” promovida por bolsonaristas, no Rio de Janeiro. Ali tirou a máscara, aglomerou e discursou como quem está em campanha. Pronto. Combustível para mais uma “fake” crise militar. O atual candidato dos quartéis ao planalto, Santos Cruz, fez questão de censurar Pazuello enquanto o próprio vice-presidente sentiu-se à vontade para criticar a atitude do general, como se ele próprio, Mourão, não tivesse agido de modo semelhante quando era o responsável pelo Comando Militar do Sul - que soma um quarto de todo o efetivo do país. 

À época, Mourão, general da ativa, fez duras críticas à presidenta Dilma Rousseff, endossou homenagem ao torturador e assassino Brilhante Ustra e, em 2017, chegou a declarar que uma intervenção militar poderia ser adotada se “o Judiciário não solucionar o problema político”, referindo-se à corrupção praticada por alguns políticos. Conduta nada profissional também adotada pelo próprio Comandante do Exército, general Villas Boas, que acossou o STF, pelo twitter, às vésperas do julgamento que definiria o direito de Habeas Corpus a Lula, em 2018.Como se vê e os fatos mostram, a atitude do general Pazuello condiz perfeitamente com as práticas dos seus superiores em outros momentos da nossa vida política. Para disfarçar, o Exército abriu um processo administrativo, mas é importante registrar que ir para a reserva ou assumir função burocrática não é punição, mas encenação para dissimular mais uma jogada política dos milicos. A sociedade civil, principalmente o jornalismo, precisa questionar as versões e “vazamentos” de informações oferecidas por oficiais que querem controlar a narrativa para direcionar a interpretação dos fatos políticos de acordo com seus interesses. Vale reiterar: o problema não é o capitão, mas os generais que o utilizam como poste. Jair Bolsonaro é marmita de milico. Vencer o Partido Militar será o verdadeiro desafio da sociedade civil nas eleições de 2022.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email