Pelo cessar-fogo e a paz, contra a guerra provocada pelos EUA e a Otan!

E legítimo o clamor pelo cessar-fogo e a paz. O pressuposto é a desnazificação e desmilitarização da Ucrânia, escreve o editor internacional José Reinaldo

www.brasil247.com -
(Foto: Governo da Ucrânia)


José Reinaldo Carvalho, 247 - A semana que termina hoje (sábado, 26)  foi a semana da guerra, das sanções e da diplomacia. Mais guerra e sanções do que diplomacia. Chegamos a um ponto de não retorno em que as tropas russas estão dentro da capital ucraniana, Kiev. Não está claro ainda o desdobramento imediato da situação, se a resistência do governo fantoche de Zelensky se encarniçará ou se o governo vai capitular considerando a desigualdade de forças com a Rússia.

As potências ocidentais, imperialismo estadunidense e Otan à frente, além de terem provocado a mais grave situação de insegurança e ameaças à paz mundial desde o final da guerra fria, atiçam ainda mais a guerra, provocam a Rússia, tentam acuá-la, estrangular com severas sanções econômicas e cercar o país militarmente.

O deslocamento de soldados e armas intra-Otan no rumo das fronteiras com a Rússia é sem precedentes nos últimos anos. Biden afirmou solenemente em seus recentes pronunciamentos que não vai ordenar que seus soldados entrem em combate com os russos, mas está à frente da mobilização de tropas da Otan por todo o Leste Europeu. Comanda o esforço da guerra que faz por procuração através da Ucrânia. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Muito antes do reconhecimento pela Rússia das Repúblicas populares de Donetsk e Lugansk, o país euro-asiático percorreu o caminho da diplomacia. A partir da histórica entrevista Urbi et Orbi do presidente Putin em 23 de dezembro, quando traçou as linhas vermelhas de Moscou. Naquela altura, a via diplomática era a única percorrida pelo Kremlin. Quem acompanha o noticiário fidedigno e reto do Brasil 247, conhece o desenrolar dos acontecimentos. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A “diplomacia” dos EUA/Otan fez tábula rasa das reivindicações russas. Sequencialmente, o governo militarizado e filo-nazista do comediante Zelensky empreendeu uma brutal e criminosa ofensiva contra as populações russas do Donbass, dando continuidade a ações repressivas iniciadas desde o golpe da praça Maidan em 2014. Efetivamente a guerra da Ucrânia começou desde então. "Sempre seguimos o diálogo, mas as portas foram fechadas", disse a competente diplomata russa Maria Zahárova, advertindo que o "ponto de não retorno" estava próximo. Tais declarações reiteram as sucessivas advertências do chanceler Sergey Lavrov e do próprio chefe do Kremlin. Reter essas informações é essencial para compreender a irrefutável realidade de que esta guerra foi provocada e urdida na Casa Branca, no Pentágono e em Bruxelas, sede da Otan. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Diante do fato consumado, é legítimo o clamor pelas negociações, o cessar-fogo e a paz, que tem por pressuposto a desnazificação e desmilitarização da Ucrânia, com o desmonte das milícias fascistas enfileiradas no Batalhão de Azov e a assunção por este país do status de neutralidade, o que não será possível com a manutenção de Zelensky no poder. A causa da paz depende de um desfecho o mais rápido possível para a dramática situação criada na Ucrânia pelas forças imperialistas da Otan.   

Somos ardentes defensores da paz e da solução pacífica, diplomática e política dos conflitos internacionais. Por isso, tomamos como ponto de partida, ao opinar sobre as tensões políticas e militares no Leste Europeu, a condenação enérgica à brutal ofensiva dos Estados Unidos e da Otan contra a Rússia. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista: 


Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email