Perigosa insensatez

A carta assinada por 28 reitores de instituições federais em protesto contra a não nomeação dos escolhidos para a condução dos seus destinos, acende um alerta contra a teimosia da atual gestão e sua aversão à inteligência.



Uma das verdades consagradas na modernidade foi o reconhecimento da importância do saber para o desenvolvimento da riqueza e dos sistemas civilizatórios. A Leste ou a Oeste, não há país que, na atualidade, ignore a importância conferida ao ensino (básico ou universitário, sobretudo estatal) para a expansão de uma ciência que altere para melhor o uso dos nossos recursos e os democratize. No Japão, na China, na Coreia, na França, no Reino Unido, nos Estados Unidos etc... considera-se que investir em educação e respeitar a sua autonomia nos caminhos da pesquisa representam molas indispensáveis para a construção de uma sociedade melhor. E nisso, a universidade, como polo de acumulação de saber, possui um papel. É o motivo pelo qual os legisladores se esforçaram por lhe garantir uma rede de proteção contra governos menos zelosos que veem entre as suas tarefas a necessidade de aparelhar a administração e de ideologizar as suas funções. 

A carta assinada por 28 reitores de instituições federais em protesto contra a não nomeação dos escolhidos para a condução dos seus destinos, acende um alerta contra a teimosia da atual gestão e sua aversão à inteligência. Ali se crê que universidades simbolizam locais de ociosidade e militância política, devendo ser combatidas pela crônica falta de recursos, por péssimas orientações no Ministério da Educação e por perseguições políticas. Até certo ponto se entende. O Presidente Bolsonaro nunca integrou espaços acadêmicos, seu aprendizado se limitou às fases iniciais da carreira militar, aliás interrompida precocemente. Além disso, falta-lhe assessoria para lhe imprimir sensatez onde mais carece. Resultado: não há uma ação governamental com uma consciência clara dos passos a dar. 

Quem não participa da atmosfera que paira sobre uma população universitária não entende os conceitos de liberdade e de autonomia defendidos por estudantes, professores e técnicos administrativos que lhe garantem o funcionamento. Na bancada do laboratório, nas mesas das bibliotecas, nos centros de reflexão, para não mencionar as salas de aula, há um ir e vir de ideias que logo se metamorfoseiam em objetivos, na linha do horizonte, para uma humanidade justa. Não se abrem os caminhos da ciência sob o regime da opressão. Pensamento e saber precisam do oxigênio da liberdade. Sem ele não se garante sucesso e desbravamento no conhecimento. Nosso principal mandatário, voltado para as “gripezinhas”, os “párias” e as provocações contra os adversários, não observa semelhantes qualidades. De peito aberto, arrisca-se nos mares da tolice.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os reitores, que se recusam à adulação fácil com os que se encontram acima, chamam a atenção. Universitários não se ligam a governos. Ligam-se ao Estado. Deles depende um amanhã ensolarado ou ensombrecido pela mediocridade. Daí a legislação prever listas de três nomes formuladas em consulta à comunidade para entrega ao Presidente que escolhe um, mas não deve deixar de escolher por razões mesquinhas. Sem tais premissas, em vez de caminhar para o futuro, andamos para trás. Pelo ritmo da locomotiva, voltaremos aos tempos do Brasil colônia, ou pior, à Idade Média sem as bibliotecas dos mosteiros garantindo a existência do saber.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email