Petrobrás em risco extremo. Onde estão os brasileiros?

“Enquanto isto, nos bastidores, a Royal Dutch Shell aguarda, atrás de seu “biombo” chamado Raizen, o momento do bote final”

www.brasil247.com -
(Foto: ABr)


Jair Bolsonaro agora informa que quer privatizar a Petrobrás. “Eu já tenho vontade de privatizar a Petrobrás” https://exame.com/economia/privatizacao-da-petrobras-bolsonaro-quer-e-avaliara-com-equipe-economica/ Alega não suportar a pressão relativa aos preços do combustíveis. Ou seja, ao invés de resolver o problema, alterando a política de preços da companhia, decide por vende-la. Uma desculpa fantasiosa e fraca, para satisfazer os tolos. 

Depois de aprovar açodadamente o PLC 11/20 , sem qualquer sentido, que fixa o valor de cobrança do ICMS, Arthur Lira, presidente da câmara federal, fala em privatizar a empresa

“Esta é a pergunta que terá de ser feita: não seria o caso de privatizar a Petrobrás?” https://www.poder360.com.br/congresso/lira-diz-que-politica-da-petrobras-precisa-ser-revista-e-fala-em-privatizacao/  

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

De 1940 a 1980 o Brasil foi o país que mais cresceu industrialmente no mundo. Em 1980 a indústria brasileira produzia mais do que as indústrias da China e da Coreia somadas. Este crescimento foi possível graças às nossas estatais (Siderbrás, Eletrobrás, Petrobrás, Telebrás etc.) a grande maioria idealizadas ou criadas na era Vargas. Naturalmente este desenvolvimento incomodou o resto do mundo, que sempre desejou que o Brasil se limitasse a ser um fornecedor de alimentos e matérias primas. Logo iniciou-se um trabalho de desmoralização de nossas estatais, que passaram a ser chamadas de “paquidermes”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Era preciso privatiza-las para o país “crescer realmente” Foi o início da destruição das esperanças brasileiras. 

Mas a Petrobrás, que sempre foi ponta no desenvolvimento tecnológico, não podia ser chamada de “paquiderme”. Seu conceito junto aos brasileiros sempre foi elevado. A corrupção apontada na Lava Jato teve forte impacto mas não suficiente para eliminar a confiança na empresa. Foi então criada a “mãe das mentiras”, sem apresentar qualquer número, foi inventado que a companhia tinha sérios problemas financeiros, uma dívida impagável. O trabalho da mídia foi tão forte que a mentira virou verdade. Foi assim que a confiança que o povo brasileiro tinha na Petrobrás se transformou em desprezo. Deu-se início à destruição. A empresa que em 2014 tinha uma receita líquida de US$ 144 bilhões viu este valor cair para US$ 54 bilhões em 2020. Sem qualquer protesto.  

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A Petrobrás divulga em seu site a composição do preço do diesel pago pelo consumidor na bomba como vemos a seguir:

grafico-petrobras

Vejam que a participação da companhia é de 54% do preço ao consumidor. Como o preço médio do diesel S500 neste período era de R$ 4,80 por litro (dados Petrobrás e ANP), a parcela da empresa é de R$ 2,59 (0,54 x 4,80) por litro.

Deste valor de R$ 2,59, apenas R$ 0,84 é custo da Petrobrás, que portanto tem uma margem de mais de 200% (vide https://www.aepet.org.br/w3/index.php/conteudo-geral/item/6922-lucro-da-petrobras-representa-mais-de-36-do-preco-do-diesel-na-bomba)  

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Portanto do preço de venda (R$4,80) mais de 36% é lucro da Petrobrás. Os impostos representam menos da metade deste valor. Fica claro que todo o problema está no preço da estatal. Todos sabem disto mas ficam discutindo o ICMS, para mostrar que tentam um solução. Governadores tem fóruns de discussão do assunto, mas ninguém aponta a verdade dos fatos. Qual será aparte de cada um neste butim?

O deputado Paulo Ramos, em 1º de setembro p.p. fez requerimento (CD 212527785900) para instauração de CPI na Petrobrás, sendo esta a única forma de se aprofundar os conhecimentos sobre o assunto, chegando à verdade. Estranhamente, passados mais de mês e meio, poucos foram os parlamentares que a subscreveram.

Recentemente, importantes e respeitadas entidades brasileiras (Aepet, ABI, Clube de Engenharia, Cofecon e Febrageo) assinaram manifesto pedindo o fim da política de preços da Petrobrás bem como uma CPI na instituição https://www.aepet.org.br/w3/index.php/conteudo-geral/item/6927-manifesto-da-aepet-e-entidades-exige-fim-do-ppi-com-cpi-na-petrobras 

Mas ninguém quer escutar. Tem ouvidos de marcador. Vendem o futuro da nação despudoradamente, sem que o povo fique sabendo, pois nossa mídia, conivente, não informa. Ao que tudo indica esquerda e direita estão unidas pela destruição nacional, o resto é circo.

O circo da patifaria está montado. Os palhaços são muitos. O custo do espetáculo será pago pelo Brasil e seus cidadãos 

Enquanto isto, nos bastidores, a Royal Dutch Shell aguarda, atrás de seu “biombo” chamado Raizen, o momento do bote final. 

Onde estão os brasileiros?

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email