Por que estão com raiva do discurso de Putin no estádio Luzhniki?

Os russos fizeram uma manifestação de unidade nacional e força, diz o jornalista José Reinaldo

www.brasil247.com - Putin discursa em Moscou
Putin discursa em Moscou (Foto: Reprodução)


José Reinaldo Carvalho, 247 - Fazendo eco aos estados maiores do Pentágono, da Otan e outros centros do poder imperialista tais como a Casa Branca, o Departamento de Estado, a União Europeia, os meios de comunicação monopolizados por esses mesmos centros de poder dedicaram-se nas últimas 24 horas a uma orquestração uníssona para falsificar e mentir sobre o pronunciamento do presidente russo, Vladimir Putin, nesta sexta-feira (18) no estádio Luzhniki, o mesmo que sediou a última Copa do Mundo, perante uma plateia vibrante de mais de 100 mil pessoas. Não faltaram esforços para desqualificar a simbologia nacionalista manifesta no mar de bandeiras tricolores. Ignorantes, metafísicos e trapalhões, jornalistas que se jactam de viver no "mundo livre" separaram conteúdo e forma, revelando também incapacidade para compreender o contexto histórico e a essência da mensagem.  

O evento foi em comemoração ao 8º aniversário da reunificação da Crimeia com a Rússia, que os desinformadores insistem em chamar de "anexação". Curioso que não condenaram nos mesmos termos a anexação da antiga República Democrática da Alemanha (socialista) à República Federal da Alemanha (imperialista), após a queda do muro de Berlim. O mesmo uso desproporcional entre pesos e medidas revelam ao apreciar a criação da nova República de Kosovo, separada da Sérvia após os bombardeios promovidos pela Otan durante 78 dias sobre Belgrado e manipulando os legítimos anseios nacionais da etnia albanesa na antiga república iugoslava. 

As verdades ditas por Putin no discurso deste sábado incomodaram os centros imperialistas e seus estipendiários na mídia corporativa. Ao discursar no evento em homenagem à reunificação da Crimeia com a Rússia, o chefe do Kremlin ressaltou que a Rússia fez muito para desenvolver a Crimeia e Sebastopol, e a reunificação resultou em sua redenção do estado lamentável em que viviam quando faziam parte da Ucrânia. Para além de exaltar a força da população da Crimeia que construíram "uma forte barreira no caminho dos neonazistas". Acrescentou tiradas patrióticas destacando que o povo da península da Crimeia queria viver em sua terra, em sua pátria histórica, a Rússia, razão pela qual votou maciçamente pelo retorno ao lar histórico no referendo de 18 de março de 2014. "Queriam viver um destino mútuo com sua pátria histórica, com a Rússia, tinham todo o direito e alcançaram seu objetivo", declarou Putin.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Putin também causou irritação nos círculos imperialistas e seus porta-vozes na mídia quando defendeu as razões que o levaram a deflagrar em 24 de fevereiro a operação militar especial na Ucrânia. Não poupou palavras ao se referir à trágica situação que viveu o povo da região do Donbass durante os últimos oito anos desde o golpe de 2014. "O povo do Donbass sofreu genocídio", disse Putin diante da mutidão. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os inimigos da Rússia foram levados ao transe quando Vladimir Putin pediu glórias eternas aos soldados russos, ressaltando a generosidade e o heroísmo dos jovens patriotas. 

Os mesmos centros do poder imperialista e sua mídia ficaram desapontados também porque o presidente russo proclamou alto e bom som os direitos de seu país a ter garantias de segurança. Referindo-se às ações anti-Rússia adotadas nas últimas semanas, Putin declarou alto e bom som, arrancando aplausos e ovações do estádio: "Toda essa parafernália extremista é 'justificada' pelo fato de uma nação exercer o direito elementar que todo país, sociedade ou ser humano tem de se defender, de se proteger tomando a iniciativa contra uma agressão disfarçada de baixa intensidade, pertinaz e contínua, que coloca e irá colocá-los ao longo do tempo em sério risco para a sua integridade territorial e para a segurança e a vida dos seus habitantes. Não preciso explicar muito, todos que me ouvem sabem muito bem, mesmo que se recusem a entender, do que estou falando". E diante dos vaticínios de “isolamento”, “divisão” e “derrota inevitável” da Rússia, Putin fez uma demonstração de unidade e poder nacional, ao afirmar que a Rússia e seu povo nunca tiveram tanta força. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Incapazes de refutar a mensagem nacionalista e popular, voltaram suas críticas para a simbologia do evento e das citações bíblicas, forçando analogias com o fascismo, método covarde de caluniar diante da evidente falta de condições para enfrentar a Rússia na operação de desmilitarização e desnazificação da Ucrânia. 

O que mais encolerizou os centros de poder imperialista e os funcionários da mídia monopolista foram as ideias de fundo sobre o sentido geopolítico do conflito em curso no Leste Europeu, que olíder do Kremlin explicitou dois dias antes em pronunciamento em rede nacional de rádio e TV: "O que deve ficar claro para todos é a evidência de que esses últimos acontecimentos puseram fim ao domínio global dos países ocidentais na política e na economia mundial. Além disso, o modelo econômico que durante décadas foi imposto ao mundo em geral, a obsessão patológica dos EUA e seus aliados por sanções, foi deixado em dúvida, não compartilhado pelos países onde vivem mais da metade da população mundial. Esses países representam a parte mais promissora do futuro, são as economias que mais crescem. A Rússia está entre esses países, estamos juntos, é assim porque a Rússia tem todos os recursos naturais, materiais e humanos de que essas nações emergentes precisam, o Ocidente não tem mais nada a dar, nada a oferecer além do roubo (...), eles só têm a ganância e a necessidade de cortar o crescimento dessas nações emergentes, razão pela qual, inevitavelmente, já é o início próspero do novo sistema econômico comercial que emerge, um sistema onde o mundo terá a garantia de que suas riquezas não serão arbitrariamente saqueadas, e onde o comércio e a troca possam ser realizados de forma florescente, natural e segura. A Rússia sempre deu grandes contribuições para a evolução da civilização humana ao longo da história, desta vez não foi nem vai ser diferente, a Rússia sempre fez e sempre fará parte da história."

Esta é a razão da raiva dos centros de poder imperialista e sua mídia. O líder russo anunciou o fim da ordem unipolar.   

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email