Prisão de Ribeiro serve de exemplo para todos os parlamentares que apoiam o bolsonarismo

'Prisão do ex-ministro demonstrou como Bolsonaro trata seus aliados. Bolsonaro vendeu Ribeiro na bacia das almas sem hesitação', diz Cesar Calejon

www.brasil247.com - Bolsonaro e Milton Ribeiro
Bolsonaro e Milton Ribeiro (Foto: Clauber Cleber Caetano/PR)


Por Cesar Calejon, para o 247

A prisão do ex-ministro Milton Ribeiro, que foi acusado de corrupção para atender os interesses do bolsonarismo junto a políticos evangélicos, para muito além de colocar uma verdadeira pá de cal sobre o falso moralismo do governo Bolsonaro, demonstrou, empiricamente, como Jair Bolsonaro trata os seus próprios aliados. 

Em março deste ano, ao ser interpelado pela própria Polícia Federal, Ribeiro disse que apenas obedecia “ordens do presidente” e que a negociata havia sido um “pedido especial” de Jair Bolsonaro para priorizar o repasse de verbas do Ministério da Educação (MEC) aos municípios indicados pelos pastores Gilmar Silva e Arilton Moura. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ontem, no mesmo dia em que a Polícia Federal prendeu Milton Ribeiro, Bolsonaro correu para abandonar o antigo aliado pelo qual disse que colocaria a própria cara no fogo e ainda o utilizou, descaradamente, como um boi de piranha para afirmar que não interfere nas ações da PF.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“O caso do Milton (Ribeiro), pelo que eu estou sabendo, é aquela questão que ele estava, estaria com a conversa meio informal demais com algumas pessoas de confiança dele. E daí houve denúncia que ele teria buscado prefeito, gente dele para negociar, para liberar recurso, isso e aquilo. E o que aconteceu? Nós afastamos ele. Se tem prisão, é Polícia Federal. É sinal que a Polícia Federal está agindo”, afirmou Bolsonaro na manhã de ontem à rádio Itatiaia.

Ainda segundo o chefe do bolsonarismo, “(...) ele (Milton Ribeiro) responda pelos atos dele. Eu peço a Deus que não tenha problema nenhum. Mas, se tem algum problema, a PF está agindo, está investigando, é um sinal que eu não interfiro na PF, porque isso aí vai respingar em mim, obviamente”. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Além da necessidade de se estabelecer uma CPI para aferir os crimes exatos que foram cometidos durante a gestão bolsonarista no Ministério da Educação e apontar os seus perpetradores, esse episódio enfatiza como o bolsonarismo trata as pessoas que lhe serve de instrumentos quando essas enfrentam situações difíceis. 

Neste sentido, enquanto Bolsonaro vendeu o seu aliado na bacia das almas sem nenhuma hesitação, até o ex-presidente Lula disse que o “(...) direito à defesa é (um) valor monumental”. 

Nos próximos dias, Bolsonaro deverá insistir na narrativa de instalar a CPI da Petrobras para tentar esvaziar o caso do MEC. Aqui, vale a máxima de que o “ataque é a melhor defesa”. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Evidentemente, Milton Ribeiro e os pastores Arilton Moura e Gilmar Santos são apenas peões de um jogo muito mais nefasto e complexo. Ou seja, eles formam apenas a pequena parte visível, pelo menos até aqui, de um enorme iceberg que se encontra sob a superfície do escândalo.

De qualquer maneira, a prisão de Milton Ribeiro serve como exemplo prático para todos os parlamentares que ainda apoiam o bolsonarismo: ao menor sinal de problemas, vocês não serão somente abandonados, mas, em última instância, utilizados como bucha de canhão para defender os interesses do bolsonarismo.

Apoie a iniciativa do Jornalistas pela Democracia no Catarse

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email