Proposta do governo militar constitucionaliza a pilhagem da renda petroleira do Brasil

'São os rapinadores estrangeiros, não o Estado brasileiro, os maiores beneficiários dos lucros distribuídos pela Petrobrás. O nome disso é pilhagem', diz Miola

www.brasil247.com -
(Foto: REUTERS/Jessica Lutz)


Por Jeferson Miola, para o 247

A medida direta, simples e eficaz para reduzir o preço astronômico dos combustíveis é estabelecer a equivalência com os custos nacionais de produção.

Mas o governo militar, no entanto, estabelece o preço dos combustíveis adotando como base de cálculo o valor do barril do petróleo no mercado mundial cotado em dólar. Adota a chamada Paridade de Preço de Importação – ao lado do Teto dos Gastos, a jóia da coroa do golpe perpetrado em 2016 pelas oligarquias dominantes.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Esta fórmula faz a festança dos especuladores nacionais e internacionais, que se locupletam com a distribuição de dividendos e lucros em níveis fantásticos. Ao mesmo tempo, penaliza enormemente a maioria pobre da população brasileira, que é castigada com inflação alta, carestia do custo de vida e preços abusivos do diesel, da gasolina e do gás de cozinha.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em 2021 a Petrobrás distribuiu 101,4 bilhões de reais aos acionistas da companhia. Desse total, o governo federal recebeu R$ 37 bilhões e os acionistas privados abocanharam R$ 63,4 bilhões.

Um detalhe relevante: os acionistas estrangeiros rapinaram do país R$ 41 bilhões do total de R$ 63,9 bilhões distribuídos a todos acionistas privados, ao passo que os acionistas privados brasileiros se refestelaram com os outros R$ 22,9 bilhões.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No primeiro semestre deste ano [jan/março-2022], a Petrobrás lucrou 44,5 bilhões de reais, que foram distribuídos majoritariamente para grupos privados estrangeiros.

Isso significa que são os rapinadores estrangeiros, não o Estado brasileiro ou mesmo os especuladores nacionais, os maiores beneficiários dos lucros distribuídos. O nome disso é pilhagem.

Considerando a queda dos custos de extração devido ao desenvolvimento tecnológico nacional avançado e a altíssima produtividade dos poços de petróleo de águas profundas – o pré-sal –, os preços dos combustíveis no Brasil poderiam estar em patamares muito abaixo dos valores escorchantes que hoje vigoram.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Esta vantagem comparativa, que poderia beneficiar o povo brasileiro com preços baixos do gás, do diesel e do gás de cozinha e propiciar maior competitividade para o desenvolvimento nacional é revertida, porém, em exuberante fonte de lucros para grupos privados, principalmente de rapineiros estrangeiros.

Este enorme salto de competitividade e produtividade brasileira no pré-sal, ao invés de reverter em benefícios ao povo brasileiro, o dono real desta riqueza natural, é instrumentalizado para garantir lucros gananciosos a grupos privados.

Para manter esta engrenagem de saqueio e roubo da renda petroleira, o governo militar propôs um pacote de mudanças na Lei e, inclusive, na Constituição, que são lesivas ao interesse público e às finanças da União, dos Estados e dos Municípios.

A redução e isenção de taxas e impostos federais e estaduais, como o ICMS, por exemplo, causam um efeito cascata que arromba as finanças públicas dos três entes federados e compromete brutalmente o financiamento do SUS, da educação em todos os níveis, da ciência e tecnologia e das demais políticas públicas essenciais, mesmo aquelas sem vinculação constitucional de percentuais de aplicação.

A constitucionalização da pilhagem da renda petroleira representa o aprofundamento do desastre e condena o país inteiro ao atraso estrutural que levará décadas para ser recuperado. Tudo isso feito para manter o brutal processo de saqueio e pilhagem da riqueza e da renda bilionária que o Brasil produz na cadeia de gás e petróleo.

O Brasil está submetido a uma verdadeira guerra de ocupação por meio da qual agentes brasileiros e estrangeiros realizam o mais brutal processo de saqueio, pilhagem e rapinagem do país.

Nesta guerra de ocupação, são as Forças Armadas, transformadas em milícias fardadas pelas cúpulas militares partidarizadas, antiprofissionais e conspirativas, que atuam como guarda pretoriana dos rapineiros, não algum eventual Exército estrangeiro.

O conjunto de propostas do governo militar para tentar controlar o preço dos combustíveis durante o período eleitoral não só legaliza, como constitucionaliza a pilhagem da renda petroleira do Brasil, que pertence ao povo brasileiro.

Este é mais um crime de lesa-pátria do partido dos generais, das classes dominantes e da mídia hegemônica que incensa este modelo pernicioso.

Apoie a iniciativa do Jornalistas pela Democracia no Catarse

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email