Queda de Moro salva Guedes

"A demissão do ministro da Justiça deu uma injeção de energia política no ministro da Economia. Jair Bolsonaro percebeu que, depois de Mandetta e Moro, a saída de mais um chutando o balde poderia apressar seu próprio fim", analisa Helena Chagas, do Jornalistas pela Democracia

(Foto: Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Helena Chagas, para Os Divergentes e para o Jornalistas pela Democracia

Há três dias, ninguém dava nada pela permanência de Paulo Guedes no governo. Pressionado, sendo obrigado a executar uma política econômica na contramão de sua agenda liberal por causa da pandemia e, finalmente, atropelado pelo Plano Pró-Brasil do general Braga Netto – que, descobre-se agora, seria uma espécie de laranja do colega Rogério Marinho, do Desenvolvimento – Guedes já tinha sua queda precificada até pelo mercado. A demissão do ministro da Justiça, porém, deu uma injeção de energia política no ministro da Economia. Jair Bolsonaro percebeu que, depois de Mandetta e Moro, a saída de mais um chutando o balde poderia apressar seu próprio fim.

Daí a decisão do presidente de amanhecer o dia recebendo o ministro da Economia no Alvorada, fazendo-lhe agrados e dando entrevista para dizer que quem manda da economia é mesmo seu velho e bom Posto Ipiranga. Não ficou muito claro, na fala de presidente e ministro lado a lado, o que será feito de fato para a retomada da economia. Mas Guedes teve todo o espaço para dizer que a política econômica continuará a mesma no pós-pandemia – ou seja, a sua.

Se será mesmo assim, não se sabe. É muito provável que, seguindo a maré da enorme crise que assola o país, os desenvolvimentistas voltem com propostas de investimento público em obras e outros gastos – o que vai contra a  cartilha de Guedes. Na prática, dificilmente essa cartilha será retomada em 2021, ano que ainda será atravessado pela recessão provocada pela pandemia. E todo mundo sabe que Bolsonaro, do fundo do coração, tende a ser mais simpático aos planos de Marinho e Braga Netto do que à austeridade de Guedes no período pré-eleitoral.

Tudo isso vale, é claro, dentro de condições que permitam a Bolsonaro permanecer no cargo. É um arranjo frágil, mas que por ora manterá as aparências no Posto Ipiranga, ainda que lhe falte combustível.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247