Quem pode mais: Dilma ou Temer?

"Existem hoje dois campos de poder no País. O do Palácio do Planalto, sob permanente ameaça desde o dia da posse no segundo mandato, e o do Palácio do Jaburu. A lógica dos aliados é muito simples. Se Dilma pode oferecer um ministério, Temer tem dois: o atual e algum que, em breve, poderá ser perdido pelo PT", diz Leonardo Attuch, editor do 247; Lula, que seria o personagem central na estratégia de recomposição da base aliada, foi atingido pela divulgação de suas conversas privadas, mas ainda preserva a capacidade de arregimentar multidões; "Nos próximos dias, Dilma terá que, cada vez mais, apontar inconsistências jurídicas no pedido de impeachment e abrir o debate aberto com a sociedade, caso realmente queira concluir o seu mandato"

Brasília - A presidenta Dilma Rousseff e o vice-presidente, Michel Temer, participam da solenidade onde recebem os cumprimentos de oficiais-generais no Clube do Exército (Antonio Cruz/Agência Brasil)
Brasília - A presidenta Dilma Rousseff e o vice-presidente, Michel Temer, participam da solenidade onde recebem os cumprimentos de oficiais-generais no Clube do Exército (Antonio Cruz/Agência Brasil) (Foto: Leonardo Attuch)

Instalada a comissão do impeachment na Câmara dos Deputados, o jogo político agora se move para as sombras do poder em Brasilia. Se até aqui o governo da presidente Dilma Rousseff vinha conseguindo um mínimo de apoios no Congresso, o custo vinha sendo altíssimo, como se viu na última reforma ministerial, quando ministérios importantes, como Saúde e Ciência e Tecnologia, foram entregues a nomes relativamente desconhecidos do PMDB.

Apostava-se na histórica divisão do maior partido da base aliada para ir empurrando o barco em meio à tempestade. Ocorre que, na semana passada, quando o vice Michel Temer foi reeleito presidente do PMDB, todo o discurso da legenda girou em tornou da unidade interna. A tal ponto que Temer se negou a ir à posse do ex-presidente Lula alegando que outro ministro – Mauro Lopes, do PMDB, escolhido para a Aviação Civil – havia quebrado uma decisão partidária que impedia filiados de assumir novos cargos na administração federal.

Portanto, existem hoje dois campos de poder no País. O do Palácio do Planalto, sob permanente ameaça desde o dia da posse no segundo mandato, e o do Palácio do Jaburu, cada vez mais concorrido. A lógica dos aliados é muito simples. Se Dilma pode oferecer um ministério, Temer tem dois: o atual e algum que, em breve, poderá ser perdido pelo PT.

A grande aposta de Dilma era a capacidade de articulação política do ex-presidente Lula. No entanto, desde que ele foi atingido pela divulgação de conversas privadas, seu poder de influência encolheu, por mais que a legalidade dos grampos possa vir a ser questionada nos tribunais.

A partir de agora, a função Lula se reduz à de articulador das massas “contra o golpe” e “em defesa da democracia” – o que ele pode fazer mesmo estando fora do governo, como demonstrou nesta sexta-feira. Nos próximos dias, Dilma terá que, cada vez mais, apontar inconsistências jurídicas no pedido de impeachment e abrir o debate aberto com a sociedade, caso realmente queira concluir o seu mandato.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247