Quem teme a ameaça das consequências imprevisíveis?

"O imprevisto ronda o futuro de Bolsonaro e de seus cúmplices, incluindo os milicianos que ele prometeu armar na reunião do dia 22 de abril", escreve o jornalista Moises Mendes

General Augusto Heleno
General Augusto Heleno (Foto: Marcos Correa)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Moisés Mendes, para o Jornalistas pela Democraia 

Uma consequência imprevisível deveria, conforme o próprio enunciado, ser algo imprevisto. Mas o general Augusto Heleno antecipa o que todo mundo sabe que ele gostaria de antever.

É previsível, porque é uma ameaça, a consequência prevista por Heleno, pelo menos na cabeça dele.

Heleno imagina o Brasil sobre controle absoluto não de Bolsonaro, porque este não tem condições, mas de um grupo de militares. Ele seria parte dessa elite que criaria o cenário do que considera previsível.

Heleno foi o encarregado pelo governo para dar uma resposta a Celso de Mello, diante do pedido que o ministro encaminhou ontem à Procuradoria-Geral da República.

Mello pede que a PGR se pronuncie sobre a possibilidade de apreensão e perícia do celular de Bolsonaro, nas investigações sobre o conluio dele com gente da Polícia Federal.

No início do mês, Heleno já havia se irritado com Celso de Mello, porque o ministro determinara que Heleno e os generais Luiz Eduardo Ramos e Braga Netto deveriam depor no inquérito sobre o escândalo da PF. Se não fossem, seriam submetidos à condução coercitiva.

Agora, divulgou a nota em que responde de novo a Celso de Mello sobre a possibilidade de apreensão do celular do seu chefe, que depende de decisão do procurador-geral Augusto Aras.

O principal ponto da nota é a ameaça de que uma apreensão poderia ter “consequências imprevisíveis para a estabilidade nacional”.

Imaginemos o que poderia acontecer. Bolsonaro poderia se negar a entregar o celular? Se fosse obrigado a entregar, poderia convocar os militares para uma rebelião?

Heleno e seus companheiros de farda (mesmo que atualmente de pijama) poderiam tomar o poder com o apoio do povo? O ministro do Gabinete de Segurança Institucional está blefando em nome de um governo acuado?

Bolsonaro empregou mais de 2,5 mil militares no governo. Eles não têm necessariamente, como chegou a se pensar, o controle da situação.

Não são protagonistas. Chegaram a anunciar, por jornalistas amigos, que Braga Netto seria o poderoso gestor do Planalto.

Nem isso ficou claro, principalmente depois do fracasso do tal programa de crescimento Pró-Brasil, sustentado por recursos estatais, que foi pulverizado em uma semana por Paulo Guedes.

O que se evidencia é que todos eles se submetem à única orientação que Bolsonaro é capaz de transmitir aos subalternos: sejam obedientes ao fundamentalismo que tomou conta do poder.

Bolsonaro e seu entorno estão ameaçando com golpe desde o início do governo. O vice Hamilton Mourão chegou a falar em autogolpe, antes mesmo da eleição, porque já previa um Bolsonaro fraco e inseguro.

Então, as consequências imprevisíveis talvez venham a ser imprevistas para o próprio Heleno, principalmente depois da divulgação do vídeo com os horrores da reunião do dia 22 de abril.

A partir de agora, tudo passa a ser ainda mais instável. O imprevisto ronda o futuro de Bolsonaro e de seus cúmplices, incluindo os milicianos que ele prometeu armar na reunião do dia 22 de abril.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247