Reforma ministerial: razão do adiamento

"Fomos nós mesmos que decidimos deixar para depois e o governo concordou. As nomeações agora soariam como barganha. O que estamos tentando construir é uma coalizão com o PP, o PR e o PSD, com vistas ao impeachment e também à sustentação do governo. Até porque, se o impeachment for derrotado, é conosco que a presidente irá governar. Não seria com o PSDB. Então, depois teremos tempo para negociar as pastas e os nomes", explica o presidente do PP, Ciro Nogueira, que nesta quarta-feira anunciou que permanecerá na base do governo; o mesmo se aplica aos outros dois partidos, frisa; "Fechado o acordo, o governo se aproxima da margem de segurança de votos para enfrentar a votação do impeachment", ressalta a jornalista Tereza Cruvinel, colunista do 247

www.brasil247.com - "Fomos nós mesmos que decidimos deixar para depois e o governo concordou. As nomeações agora soariam como barganha. O que estamos tentando construir é uma coalizão com o PP, o PR e o PSD, com vistas ao impeachment e também à sustentação do governo. Até porque, se o impeachment for derrotado, é conosco que a presidente irá governar. Não seria com o PSDB. Então, depois teremos tempo para negociar as pastas e os nomes", explica o presidente do PP, Ciro Nogueira, que nesta quarta-feira anunciou que permanecerá na base do governo; o mesmo se aplica aos outros dois partidos, frisa; "Fechado o acordo, o governo se aproxima da margem de segurança de votos para enfrentar a votação do impeachment", ressalta a jornalista Tereza Cruvinel, colunista do 247
"Fomos nós mesmos que decidimos deixar para depois e o governo concordou. As nomeações agora soariam como barganha. O que estamos tentando construir é uma coalizão com o PP, o PR e o PSD, com vistas ao impeachment e também à sustentação do governo. Até porque, se o impeachment for derrotado, é conosco que a presidente irá governar. Não seria com o PSDB. Então, depois teremos tempo para negociar as pastas e os nomes", explica o presidente do PP, Ciro Nogueira, que nesta quarta-feira anunciou que permanecerá na base do governo; o mesmo se aplica aos outros dois partidos, frisa; "Fechado o acordo, o governo se aproxima da margem de segurança de votos para enfrentar a votação do impeachment", ressalta a jornalista Tereza Cruvinel, colunista do 247 (Foto: Tereza Cruvinel)


É falsa a versão corrente de que a presidente Dilma decidiu só nomear ministros de sua nova base parlamentar depois da votação do impeachment porque desconfia de que os partidos não entregariam os votos prometidos. Uma relação com este nível de desconfiança não iria longe. E como já disse o ministro Ricardo Berzoini, Dilma precisa de uma nova base não só para derrotar o golpe mas também para governar depois.

- Fomos nós mesmos que decidimos deixar para depois e o governo concordou. As nomeações agora soariam como barganha. O que estamos tentando construir é uma coalizão com o PP, o PR e o PSD, com vistas ao impeachment e também à sustentação do governo. Até porque, se o impeachment for derrotado, é conosco que a presidente irá governar. Não seria com o PSDB. Então, depois teremos tempo para negociar  as pastas e os nomes  – diz o presidente do PP, Ciro Nogueira.

Entretanto, a oposição acusa Dilma de estar “chantageando” os potenciais e aliados. O ex-líder do DEM, Mendonça Neto, falou até em “acordo no crediário”.

Ciro Nogueira anunciou nesta quarta-feira 6 que o partido permanece na base do governo. Dos 57 parlamentares da legenda - 51 deputados e 6 senadores -, mais de 40 são favoráveis a apoiar a presidente Dilma, segundo o senador.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Fechado o acordo, o governo se aproxima da margem de segurança de votos para enfrentar a votação. Mas, até lá, ainda pode optar por medidas judicializantes, recorrendo ao STF, a depender de casuísmos ou manobras que os adversários venham a adotar, conforme avisos dados claramente ontem pelo Advogado Geral da União, Eduardo Cardoso, ao apresentar a defesa da presidente. Havendo recurso ao STF, o desfecho vai demorar mais, não acontecendo, como deseja Eduardo Cunha, até o dia 17 de abril.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email