Reguffe quer que PF investigue ameaças a Pinato

"São acusações muito graves, vindas de um deputado que estava encarregado de processo envolvendo o presidente da Câmara. Por isso insistirei com o Ministério Público sobre a importância de que as declarações dele sejam investigadas", disse o senador José Antônio Reguffe (PDT-DF)

"São acusações muito graves, vindas de um deputado que estava encarregado de processo envolvendo o presidente da Câmara. Por isso insistirei com o Ministério Público sobre a importância de que as declarações dele sejam investigadas", disse o senador José Antônio Reguffe (PDT-DF)
"São acusações muito graves, vindas de um deputado que estava encarregado de processo envolvendo o presidente da Câmara. Por isso insistirei com o Ministério Público sobre a importância de que as declarações dele sejam investigadas", disse o senador José Antônio Reguffe (PDT-DF) (Foto: Tereza Cruvinel)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

O senador José Antônio Reguffe (PDT-DF) vai pedir ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que determine a investigação, pela Polícia Federal, das ameaças que o ex-relator do processo de cassação de Eduardo Cunha, deputado Fausto Pinato, afirma ter recebido. Ele vinha relatando ameaças veladas de morte e agora, em entrevistas que depois após sua destituição do cargo, acrescentou ter ouvido insinuações sobre recebimento de propina para fazer um relatório contra o prosseguimento do processo.

- São acusações muito graves, vindas de um deputado que estava encarregado de processo envolvendo o presidente da Câmara. Por isso insistirei com o Ministério Público sobre a importância de que as declarações dele sejam investigadas – disse Reguffe.

O próprio deputado pediu na quarta-feira ao Ministério da Justiça a investigação das ameaças e abordagens que sofreu, desde que virou relator, segundo ele vindas de pessoas desconhecidas que o abordaram em aeroportos, e insinuações feitas por colegas deputados, que não chegou a nominar.

Ele fez o pedido depois que o Ministério da Justiça negou um pedido de investigação apresentado pelo próprio presidente da Câmara, Eduardo Cunha. Segundo a PF, denúncias de ameaças de morte só podem ser investigadas a partir de pedido da própria e suposta vítima.

“Antecipei meu relatório por medo de morrer. Recebi aconselhamento para pensar na minha família, que tenho filho pequeno, irmão pequeno, que devia pensar no meu futuro”. Segundo ele, as ofertas financeiras foram insinuadas mas nunca apresentadas claramente porque ele logo cortava a conversa.

Ele teria também tomado precauções, como contratar um segurança particular e registar um Boletim de Ocorrência reservado em São Paulo.

Até agora não se tem notícia do destino do pedido de investigação feito pelo deputado. Se  o senador Reguffe requerer as investigações ao Ministério Público, eles ganharão outro caráter e poderão subsidiar as avaliações que Janot vem fazendo sobre um eventual pedido de afastamento de Cunha do cargo.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email