Senador Valdir Raupp defende aumento de salários a ministros do Supremo. Vai que cola?

"Dos 81 que votarão o impeachment, 47 (58%) têm ocorrências na Justiça ou em Tribunais de Contas por suspeitas ou acusações que vão de improbidade administrativa (em sua maioria) a corrupção passiva, passando por lavagem de dinheiro e formação de quadrilha". Raupp é um deles, citados por vários delatores da Operação Lava-Jato nos desvios da Petrobras

Senador Valdir Raupp (PMDB-RO) durante instalação dos trabalhos e eleição do presidente e vice-presidente da Subcomissão Permanente de Infraestrutura e Desenvolvimento Urbano
Senador Valdir Raupp (PMDB-RO) durante instalação dos trabalhos e eleição do presidente e vice-presidente da Subcomissão Permanente de Infraestrutura e Desenvolvimento Urbano (Foto: Luciana Oliveira)

É tragicômica a posição do senador peemedebista, Valdir Raupp (RO), em defesa do reajuste de R$ 33,7 mil para R$ 39,2 mil para os ministros do Supremo, o que deve impactar o caixa do Governo com algo em torno de R$ 5 bilhões ao ano.

O Globo informa que o "senador Valdir Raupp (PMDB), ex-presidente da legenda, apresentou um relatório paralelo ao de Ricardo Ferraço (PSDB-ES) na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), em defesa da aprovação do aumento para os ministros do Supremo."

Não bastasse contrariar o rigoroso ajuste fiscal, promessa de ponte para o futuro dos aliados contra a democracia, é impossível negar 'a média' que senadores investigados estão fazendo com seus julgadores.

Segundo a ONG Transparência Brasil, "dos 81 que votarão o impeachment, 47 (58%) têm ocorrências na Justiça ou em Tribunais de Contas por suspeitas ou acusações que vão de improbidade administrativa (em sua maioria) a corrupção passiva, passando por lavagem de dinheiro e formação de quadrilha".

Raupp é um deles, citados por vários delatores da Operação Lava-Jato nos desvios da Petrobras.

Paulo Roberto Costa, o operador Fernando Baiano e o doleiro Alberto Youssef e o ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, citaram o senador no esquema de rapinagem na Petrobras.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247.Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247