Sugerido pelo embaixador Celso Amorim, o Dia Nacional da Vergonha

Denise Assis, do Jornalistas pela Democracia, lembra que Donald Trump visitou o Comando Sul das Forças Armadas americanas, na Flórida, e foi apresentado ao brigadeiro-general Juan Carlos Correa, que teria sido enviado pelo governo colombiano de Ivan Duque. "Ex-chanceler Celso Amorim, em choque, resumiu: 'Devíamos batizar essa data como o dia da vergonha!'", diz ela

www.brasil247.com - Donald Trump, Ivan Duque e Celso Amorim
Donald Trump, Ivan Duque e Celso Amorim (Foto: Reuters/flick247/causaoperariaorg)


Por Denise Assis, do Jornalistas pela Democracia

No dia 10 de julho o candidato à reeleição e atual presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, visitou a sede do Comando Sul das Forças Armadas americanas, na Flórida. Ao ver as cenas do vídeo que disponibilizamos no final do texto, o embaixador e ex-chanceler Celso Amorim, em choque, resumiu:

“Devíamos batizar essa data como o dia da vergonha!”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Para receber Trump, um corpo de oficiais fardados, foram colocados ao fundo, enquanto o comandante da unidade saúda o visitante expondo o seu ponto de vista sobre uma boa estratégia.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

– Sr. Presidente, eu penso desse jeito: para competir num campo, quando você vai jogar golfe ou beisebol, você quer os melhores jogadores com você. E certamente temos esses vencedores aqui hoje. Só queria apresentar a você, Sr. Presidente: brigadeiro-general Juan Carlos Correa, se você se levantar, general.

Presidente… Presidente Duque nos enviou o seu melhor e pagou por isto. Então ele veio aqui totalmente pago pela Colômbia e trabalha para mim. (Há muito de arrogância nesta frase!).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

É um reconhecimento que a Colômbia esteve conosco no mundo, na guerra da Coréia, e eles estão conosco hoje. E fazendo diferença.

A esta altura o comandante ordena (É este o verbo): – Diga olá. E, empertigado, qual um soldadinho de chumbo, o oficial colombiano diz mecanicamente:

– Obrigado, Sr. Presidente. (Paga e ainda agradece).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

– E nossa “adição” brasileira… presidente Bolsonaro… A mais nova adição (insiste no termo) ao nosso quartel, general: o major-general Davi, um dos mais destacados das Forças Armadas do Brasil. (Soa como: adicionamos mais um para a nossa coleção. Eles nos mandam os seus melhores).

– Ele está em nossa organização J5. Mais uma vez, os brasileiros pagando para vir para cá e trabalhar para mim na segurança. (Ou seja, eles imploram, pagam e vêm). O Brasil está conosco desde a Segunda Guerra Mundial. O nosso relacionamento está ficando cada vez mais forte, Sr. Presidente. (E, de novo, com voz de comando, ordena. Vou repetir: ordena):

– Diga olá.

O brasileiro, tenso e em posição de sentido faz uma breve reverência com a cabeça, duas vezes e se senta, ao fundo, onde é o seu ligar naquela cena subserviente e patética.

O embaixador tem toda razão. Não há como não sentir vergonha diante disto.

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email