Temer pede conselhos para FHC. Danou-se!

Afinal, o que FHC tem a aconselhar sobre "os temas econômicos"? Seu reinado de oito anos foi um verdadeiro desastre. Se depender dos "conselhos" de FHC para área econômica, os trabalhadores estão ferrados!

Afinal, o que FHC tem a aconselhar sobre "os temas econômicos"? Seu reinado de oito anos foi um verdadeiro desastre. Se depender dos "conselhos" de FHC para área econômica, os trabalhadores estão ferrados!
Afinal, o que FHC tem a aconselhar sobre "os temas econômicos"? Seu reinado de oito anos foi um verdadeiro desastre. Se depender dos "conselhos" de FHC para área econômica, os trabalhadores estão ferrados! (Foto: Altamiro Borges)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

No feriado desta quarta-feira (12), o usurpador Michel Temer promoveu um almoço no Palácio do Jaburu com o ex-presidente FHC, um dos mentores do "golpe dos corruptos" que depôs Dilma Rousseff. A comilança ainda contou com a estranhíssima presença de Gilmar Mendes, o ministro tucano do Supremo Tribunal Federal (STF) que hoje comanda o Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A mídia chapa-branca foi só elogio ao encontro "amigável" e "civilizado". Garantiu que o almoço teve como objetivo "tratar dos temas econômicos" e que o ilegítimo Michel Temer pediu "conselhos" ao incompetente FHC sobre as saídas para a grave crise que atinge o país.

Nos bastidores, porém, circulou o boato de que a comida foi meio indigesta. Nos últimos dias, FHC tem dados vários sinais de que pretende trair em breve o Judas. Em entrevista recente, o grão-tucano afirmou que Michel Temer é "apenas uma pinguela" e que o seu papel é unicamente o de impor as "medidas impopulares" que viabilizaram o assalto ao poder. Já o sinistro Gilmar Mendes, que analisa as contas de campanha da chapa vitoriosa nas eleições presidenciais de 2014 – a pedido do PSDB de FHC –, já ameaçou pedir também a cassação do vice na coligação. Tudo indica que a comilança "civilizada" e "amigável" abordou estes e outros temas indigestos.

Mas mesmo que não tenha tratado destes assuntos delicados, o almoço não deve ter produzido coisa muito boa. Afinal, o que FHC tem a aconselhar sobre "os temas econômicos"? Seu reinado de oito anos foi um verdadeiro desastre. O Brasil quase quebrou, implorando socorro ao Fundo Monetário Internacional, o famigerado FMI, por três vezes. A economia ficou totalmente estagnada, milhares de empresas faliram, a dívida pública bateu recorde e a inflação voltou a atingir o patamar de dois dígitos. A tragédia econômica explica porque FHC saiu escorraçado do Palácio do Planalto, tornando-se um dos presidentes mais rejeitados e detestados da história do país.

Do ponto de vista dos trabalhadores, o triste reinado tucano foi ainda mais inesquecível – o que aumenta os temores sobre o cardápio servido no almoço com o Judas Michel Temer. O livro "Era FHC: A regressão do trabalho" (Marcio Pochmann e Altamiro Borges, 2002, Editora Anita Garibaldi) faz um levantamento dos ataques sofridos neste período. Explosão do desemprego, queda brutal da renda dos assalariados, desmonte das leis trabalhistas e precarização do trabalho foram as marcas do governo tucano. Não é para menos que o PSDB foi derrotado nas urnas nas quatro últimas eleições presidenciais – o que explica o seu empenho no "golpe dos corruptos".

Se depender dos "conselhos" de FHC para área econômica, os trabalhadores estão ferrados!

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247