Tempos estranhos mesmo: Supremo discute se cumpre ou não Constituição

"Ao invés de pautar primeiro para julgamento o habeas corpus em favor de Lula e a suspeição do hoje ministro Sergio Moro, Toffoli colocou as ADCs sobre prisão em segunda instância porque, mesmo em liberdade, o líder petista continuará inelegível por conta da sua condenação", escreve o jornalista Ribamar Fonseca. "Foi mais uma manobra para prejudica-lo"

(Foto: Rosinei Coutinho/SCO/STF)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Depois de inexplicáveis adiamentos desde o ano passado, determinados primeiro pela ministra Carmen Lucia e depois pelo ministro Dias Tóffoli, ambos no exercício da presidência,  o Supremo Tribunal Federal iniciou finalmente o julgamento das ADCs que questionam a constitucionalidade da prisão após condenação em segunda instância. A Corte está visivelmente dividida, mas os sinais emitidos desde que o assunto foi pautado indicam a possível rejeição da prisão em segunda instância, o que beneficiará o ex-presidente Lula,  preso em Curitiba há mais de 500 dias, justo o motivo dos sucessivos adiamentos. 

As pressões sobre os ministros, no entanto,  são gigantescas, especialmente de bolsonaristas pelas redes sociais, porque é visível o temor, sobretudo entre os que derrubaram a presidenta Dilma Rousseff e elegeram Bolsonaro, que Lula seja libertado e volte à arena política. Até generais de pijama tentam influenciar o voto dos ministros com ameaças pelo twitter, uma forma de intimidação que já produziu efeitos num passado recente mas hoje provocam indignação entre os membros da Corte Suprema.  

O general Villas  Boas, por exemplo, ex-comandante do Exército e hoje assessor do Gabinete de Segurança Interna  do Palácio do Planalto, que todos imaginavam hospitalizado, ressuscitou para mais uma vez intimidar o Supremo, desta vez, porém sem os tanques porque não comanda mais a tropa, usando apenas o twitter e invocando Rui Barbosa: “De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra e a ter vergonha de ser honesto”.

Interessante é que a citação se encaixa perfeitamente na situação atual do país, mas ele acrescenta: “Experimentamos um novo período em que as instituições vem fazendo grande esforço para combater a corrupção e a impunidade, o que nos trouxe – gente brasileira – de volta à autoestima e à confiança”. O general parece estar tão preocupado com a possibilidade de libertação de Lula que não lê o noticiário, não vê o laranjal do PSL, a briga interna pelo poder e pelos recursos do fundo partidário, o caso Queiroz, etc, etc. Assim como todos os bolsonaristas, lamentavelmente ele acaba acreditando nas mentiras que as milícias virtuais espalham e se expõe, desnecessariamente, ao ridículo e às críticas, após a merecida aposentadoria.  

O mais estranho nesse julgamento, que vem concentrando a atenção do país e do exterior porque envolve indiretamente a figura do ex-presidente Lula, é que estão discutindo se a Constituição deve ou não ser respeitada e cumprida. A Carta Magna assegura o amplo direito de defesa, determinando que ninguém pode ser preso antes da sentença transitada em julgado, mas ano passado a própria Corte autorizou – não determinou – a prisão após a condenação em segunda instância, o que passou a ser observado em todas as instâncias do Judiciário. Foi, porém, uma decisão inconstitucional justo de quem tem o dever de defender o cumprimento da Constituição, o que motivou as ADCs. 

O ministro Luiz Fux, um dos que defendem a manutenção da prisão em segunda instância, disse que “considero um retrocesso se essa jurisprudência for modificada”.  Ou seja, ele defende o desrespeito à Constituição, que determina que ninguém pode ser preso antes da sentença transitada em julgado. Dentro em breve ele deve assumir a presidência do Supremo, o que já nos permite prever tempos difíceis na Corte, talvez até mais difíceis do que os vividos nas gestões de Carmen  Lucia e Tóffoli. 

O ministro Roberto Barroso, por sua vez, também defende a prisão em segunda instância, compartilhando da mesma opinião do seu colega Fux. Para ele, Barroso, o que vai favorecer (com a derrubada dessa prisão) são os criminosos de colarinho branco e corruptos”. Barroso e Fux, além de Fachin, são homens de confiança da Lava-Jato, mantendo estreitas ligações com Deltan Dallagnol, coordenador daquela força-tarefa,  o que de certo modo explica as suas posições. Eles temem que a decisão da Corte, por maioria de votos, possa anular grande parte das injustiças cometidas por aquela operação de Curitiba, principalmente em relação a Lula. 

Na verdade, não apenas o ex-presidente será beneficiado, mas cerca de 4 mil presos – e não 190 mil como tentaram convencer a população – o que significará a reparação de abusos da deformada Justiça praticada pelo ex-juiz Sergio Moro. Toda essa polêmica, que já levou até o ministro Marco Aurélio a acusar o presidente da Corte, Dias Tóffoli, de autoritário, só alcançou tamanha repercussão porque implicará na liberdade de Lula, de quem todos os responsáveis pelo desastre do governo Bolsonaro tem medo. Embora a libertação do ex-presidente seja quase certa, considerando-se o clima existente hoje na Corte, uma nova manobra vergonhosa do ministro Tóffoli impede que a Justiça seja feita de maneira plena.

Ao invés de pautar primeiro para julgamento o habeas corpus em favor de Lula e a suspeição do hoje ministro Sergio Moro,  o que anularia a condenação do ex-presidente, Tóffoli colocou as ADCs sobre prisão em segunda instância porque, mesmo em liberdade, o líder petista continuará inelegível por conta da sua condenação. Foi mais uma manobra para prejudica-lo, justo o homem que ele colocou lá, no Supremo, quando no exercício da Presidência da República. O mais surpreendente é que tanto o presidente da Corte como todos os seus integrantes, além de juristas do mundo inteiro, sabem que a prisão do ex-presidente foi inconstitucional, mas fazem todos os esforços possíveis, inclusive violando a Carta Magna, para mantê-lo na prisão. Prova disso é que foi apresentado um Projeto de Emenda Constitucional, em tramitação na Câmara Federal, que estabelece justamente a prisão após condenação em segunda instância. O presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Casa, deputado Francischine, tentou inclusive uma manobra para votar a PEC antes do julgamento do STF, para frustra-lo, mas fracassou, graças a ação da oposição. O presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia, consciente do objetivo da PEC, chegou inclusive  a declarar que não faria um confronto com o Supremo.

Na verdade, como costuma dizer o ministro Marco Aurélio Mello, vivemos tempos estranhos: o Supremo discute, depois de seguidos adiamentos com manobras na pauta de julgamentos – pasmem – se  cumpre ou não a Constituição. A Lei Maior, em seu artigo 102, estabelece: “Compete ao Supremo Tribunal Federal, precipuamente, a guarda da Constituição”. Como depois da Lava-Jato a letra da Lei perdeu a validade para a interpretação dos juízes, que a interpretam conforme seus interesses, deformando-a, talvez o artigo 102 tenha sido interpretado assim:  “compete ao STF guardar na gaveta a Carta Magna”, ou seja, sem necessidade de uso. Por isso, hoje, a Suprema Corte realiza um demorado julgamento para decidir se passa a cumpri-la. Sem dúvida são tempos estranhos, porque outras instituições, como a Procuradoria Geral da República, defendem o seu descumprimento. E até generais, como Villas Boas e Santos Cruz, também não querem que ela seja cumprida. Ao invés de se preocuparem com a sua missão, como a defesa da nossa soberania, por exemplo (nenhum deles disse uma palavra sobre a entrega da base espacial de Alcântara para os Estados Unidos), eles preferem intrometer-se nas atribuições do Poder Judiciário, inclusive com ameaças, esquecendo que ainda vivemos numa democracia. Tempos estranhíssimos...    

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247