Todos são iguais perante o vírus?

Enquanto trabalhador vai à rua, governo avança contra sindicatos
Enquanto trabalhador vai à rua, governo avança contra sindicatos (Foto: REUTERS/Adriano Machado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Parece que os adjetivos atribuídos a Bolsonaro estão esgotados. Restou o que fazer com ele, o mais venenoso fruto do golpe de Estado que derrubou a presidenta Dilma.

Por enquanto, ele foi isolado, os governadores assumiram a frente de combate à pandemia, por causa do despreparo, da resistência e da irresponsabilidade do presidente da República em admitir a gravidade da situação e demorar tanto na tomada de decisões.

Quando o grande capital, juntamente com a imprensa oligárquica apoiaram a campanha eleitoral de Bolsonaro, (depois que Lula foi preso e impedido de participar das eleições), sabiam muito bem o que estavam fazendo.

Queriam o apoio das forças armadas, policiais, judiciárias e legislativas, para proteção dos bilionários negócios dos magnatas nacionais e internacionais. Bolsonaro seria apenas um office boy de Paulo Guedes.

Logo depois da posse, ele deixou claro que veio para “destruir”, repetindo um jargão corrente entre os inimigos do Estado, da Constituição, dos direitos sociais, e do legado dos governos Lula e Dilma.

Partiram para a destruição dos mecanismos de distribuição da renda e de todas as políticas públicas do projeto de desenvolvimento sustentável, de inclusão social e de superação da pobreza, implementados por Lula e Dilma.

Os donos do mercado e os porta-vozes deles na imprensa aplaudiram e disseram: “agora a coisa vai”. Com o preposto “Chicago Boy”, Paulo Guedes, no comando, a máquina destruidora entrou em ação.

Guedes, com sua ideia fixa de que o mercado é panaceia para todos os problemas econômicos e sociais do país, e que o Estado teria que ser reduzido ao mínimo, acelerou a máquina nos cortes brutais dos investimentos públicos, de direitos dos trabalhadores e dos mais pobres.

Com uma ideologia superada, afogada na crise de 2008, gestada nos Estados Unidos, ele e seu parceiro, Jair Bolsonaro, atacaram os fundos públicos de financiamento do desenvolvimento e das políticas públicas de proteção e inclusão social.

Somando-se a isso a maior fuga de capitais das últimas quatro décadas e outros fatores, o país ficou sem investimentos públicos e privados. Liquidaram a economia. O resultado foi o pibinho de 1,1%, em 2019.

Depois de assumir a presidência, Michel Temer, com o apoio dos golpistas do Congresso, entre eles Bolsonaro, aprovou o congelamento dos investimentos públicos por 20 anos e hoje está em casa numa redoma, em paga por serviços prestados. Eduardo Cunha numa UTI, Aécio Neves por aí, livre como um antílope, e o Supremo, mais o ex-juiz Sérgio Moro, como estacas de sustentação dos governos do golpe.

O grande capital e a imprensa porta-voz do mercado agora são unânimes em dizer que o Estado tem que enfrentar a pandemia e salvar a economia.

Nos últimos dias, figuras expoentes da defesa do Estado mínimo, do arrocho fiscal, debulharam rosários de declarações contrárias ao que diziam antes.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, ardoroso militante do neoliberalismo, por exemplo, disse que, para vencer a crise, o Brasil precisa de um Estado forte e que não é hora de restrições fiscais.

Carlos Alberto Sardenberg, comentarista de O Globo, sempre implacável na defesa do mercado e do corte de investimentos públicos, disse que “Ninguém lida com uma calamidade fazendo corte de gastos”.

Outros inimigos do Estado, quando querem se apropriar dos bens públicos, dos recursos naturais, e explorar comercialmente os serviços públicos, usam e abusam do discurso enganador.

Como todos são iguais perante o vírus, a hipocrisia aflorou. Querem agora o “Estado Salvador”, para salvar bancos e empresas, com dinheiro do contribuinte. Paulo Guedes abriu o cofre. Os bancos receberam R$ 1,2 trilhão, a economia real R$ 247 bilhões, e aos trabalhadores o de sempre: desemprego e migalhas.

De bolsos cheios,  os magnatas empurram o problemático Bolsonaro para a linha do descarte, com renúncia ou impeachment, e que ele procure o caminho, quem sabe de Miami, para viver seu ostracismo.

A máquina do tempo político foi ligada.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247