Um duplo golpe na Eletrobras e no País

Aqui em terras Tupiniquins, com a finalidade de se pagar contas correntes do orçamento, que contemplam os indispensáveis auxílios-moradias de magistrados com casa própria e outras indecentes regalias, se pretende entregar nosso patrimônio a quem se habilitar ao cargo de novo colonizador

Sede da Eletrobras no centro do Rio de Janeiro, Brasil 20/08/2014 REUTERS/Pilar Olivares
Sede da Eletrobras no centro do Rio de Janeiro, Brasil 20/08/2014 REUTERS/Pilar Olivares (Foto: Ramon Koelle)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

O atual Governo Federal, provisório e antipopular, na ânsia de entregar no menor tempo o maior patrimônio nacional possível ao capital privado, pretende numa só tacada rifar as empresas Distribuidoras de Energia Elétrica da região norte e nordeste, atualmente controladas pela Eletrobras, e impor à Eletrobras o escandaloso prejuízo de assumir uma dívida de 11,2 bilhões de reais, e que pode chegar a 19,7 bilhões de reais se for aprovado também a assunção dos créditos das contas CCC e CDE em questionamento na ANEEL[1], como proposto para deliberação da próxima Assembleia Geral da Eletrobras.

O valor de R$ 11,2 bilhões é a dívida que o Governo Federal deseja que a Eletrobras, empresa da qual a União é acionista majoritário, assuma como "contrapartida" para que a União possa vender as Distribuidoras de Energia Elétrica com preço de mercado "atrativo" ao capital privado.

A assunção dessa gigantesca dívida pela Eletrobras viola disposições da Lei das Sociedades Anônimas, a qual a Eletrobras é submetida, que determinam que contratos devem ser celebrados em condições equitativas ou com pagamento compensatório; caracteriza ainda abuso do poder de controle exercido pelo acionista majoritário e controlador (União), viola os deveres de lealdade e boa-fé do acionista controlador em relação a empresa e aos acionistas minoritários, e ainda coloca em risco a própria sobrevivência da Eletrobras, que é revestida de interesse público nos termos do art. 173 da CF (segurança nacional e relevante interesse coletivo).

Alguém de boa-fé então poderia questionar se o valor de venda dessas empresas não será maior que a dívida que se pretende impor à Eletrobras, finalizando uma conta de resultado positivo, o que não causaria prejuízos à Eletrobras.

Primeiro devemos perceber que cada uma das Distribuidoras de Energia está sendo colocada a venda pelo valor de 50 mil reais. Isso mesmo, não foi erro de digitação, o preço estipulado pelo Governo Federal através da resolução 20 do Conselho de Parcerias Público Privadas é de simbólicos R$ 50 mil para cada uma das 06 empresas Distribuidoras de Energia Elétrica da região Norte e Nordeste do país. Trata-se de 'preço vil', ilegal e vedado pelo art. 891 do Código de Processo Civil, mas o atual governo e nosso judiciário não tem dado muita atenção a certas legalidades.

Em seguida também deve ser percebido que, ainda que se alcance um bom valor no leilão das Distribuidoras, ainda que se atinja a marca de 18 bilhões de reais como tem projetado o governo, esse dinheiro não será revertido para a Eletrobras que assumiu a bilionária dívida. Esse dinheiro entrará para as contas do Governo Federal, pois a propriedade das Distribuidoras é da União e não da Eletrobras, que é apenas a controladora das distribuidoras segundo um complexo emaranhado jurídico. Assim, o Governo Federal já considera esse dinheiro da venda das distribuidoras no orçamento de 2018, para fazer frente a "despesas ordinárias" e não pretende repassar nadinha de nada à Eletrobras.

Dessa operação podem-se concluir muitas coisas, mas duas saltam aos olhos.

Primeiro que será dado um verdadeiro golpe na Eletrobras, pois seu acionista majoritário, a União, imporá à empresa, e portanto socializará com os demais acionistas, uma dívida que pode chegar a 19,7 bilhões de reais, mas tomará para si exclusivamente, enquanto Governo Federal, as benesses dessa operação, os dividendos da venda das Distribuidoras Energia Elétrica, que, frise-se, só terá sido possível com a imposição do prejuízo à Eletrobras.

Será que esse prejuízo será apresentado no futuro como "prova" de ineficiência da Eletrobras à justificar novas privatizações? Não, quem seria capaz de uma falta de ética dessas?

Segundo, ocorrerá a alienação de um patrimônio nacional estratégico, fundamental em qualquer projeto de desenvolvimento de longo prazo, localizado em áreas de fronteiras e sobre imensos recursos naturais e florestais, com finalidade altamente duvidosa e muito pouco estratégica de fechamento do orçamento corrente.

Isso é inadmissível. As distribuidoras abastecem algumas das regiões mais pobres do país e que dependem de um conjunto de políticas públicas adequadas à rica diversidade e oportunidades locais, considerando as carências de suas populações. Esses objetos, no entanto, colidem com o retorno mercantil esperado por empresas privadas, já que as regiões mais dependentes da energia têm poucos atrativos econômicos. É fundamental destacar, ainda, a importância estratégica das empresas distribuidoras de energia elétrica na região amazônica.

O fornecimento de energia elétrica vem sendo tratado mundialmente como questão de segurança nacional, razão pela qual diferentes países têm barrado investimentos internacionais no setor. O quadro abaixo, elaborado pelo Dieese, confirma esta posição:

Há forte indicativo, no entanto, de que grupos estrangeiros são os principais interessados na compra de ativos das empresas de distribuição de energia brasileira.

Recentemente, a Austrália, os Estados Unidos e a Alemanha barraram investimento chineses da ordem de R$ 38,9 bilhões no setor de energia e outros, alegando questões de segurança nacional. (VALOR ECONOMICO, 25/10/2016). A Austrália bloqueou ofertas da estatal chinesa State Grid para comprar uma participação controladora na maior concessionária de energia elétrica do país, a estatal Ausgrid (VALOR ECNOMICO, 12/08/2016).

Aqui em terras Tupiniquins, porém, a com a finalidade de se pagar contas correntes do orçamento, que contemplam os indispensáveis auxílios-moradias de magistrados com casa própria e outras indecentes regalias, se pretende entregar nosso patrimônio a quem se habilitar ao cargo de novo colonizador.

-----

[1] Tratam-se das Contas de Consumo de Combustível e Conta de Desenvolvimento Energético, que possuem procedimentos administrativos na Aneel com capacidade de impor a essas contas um passivo da ordem de R$ 19,7 bilhões, conforme reconhecido pelo Conselho de Administração da Eletrobras no edital de convocação da AGE 170.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247