Um alerta: governo Lula será de reconstrução nacional

Lula dará prioridade máxima à tarefa histórica de reconstruir o país sob os escombros do estrago causado por Bolsonaro

www.brasil247.com - Geraldo Alckmin e Lula
Geraldo Alckmin e Lula (Foto: Ricardo Stuckert)


Com as ressalvas óbvias de que não tem nada ganho ainda, que teremos uma eleição dificílima pela frente, já que nos bateremos contra a bandidagem fascista, mas já cabe à esquerda e demais setores do campo progressista debater e contextualizar em que conjuntura se dará a provável vitória de Lula em outubro.

Tudo indica que Lula dará prioridade máxima à tarefa histórica de reconstruir o país sob os escombros do estrago causado por Bolsonaro. Isso não significa deixar de lado urgências como matar a fome do povo, gerar emprego e renda e permitir que as pessoas possam viver em paz.

No entanto, boa parte da energia vital do governo estará voltada para repor tudo que foi dizimado nas dimensões sociais, ambientais, culturais, econômicas, políticas e civilizatórias.

Primeiro, vale a especulação sobre a natureza do Congresso Nacional a ser eleito. Sou otimista em relação ao crescimento da bancada dos partidos com compromissos populares, já que nunca houve uma politização tão intensa acerca da importância crucial do parlamento, mas mantenho a expectativa realista de que não formaremos maioria nem na Câmara nem no Senado.

Daí a necessidade imperiosa de atrair para o apoio ao governo setores do centro e até da centro-direita não bolsonarista. E isso independe da vontade de Lula e dos partidos aliados. É uma imposição do presidencialismo de coalizão vigente no Brasil, cuja superação só é possível vislumbrar no âmbito de uma reforma política. Só que não há no horizonte de curto e médio prazos perspectivas de que essa reforma venha a acontecer.

E, é claro, o apoio congressual fora da seara da esquerda cobra um preço evidente, na forma de algum nível de flexibilização dos pontos mais transformadores do programa. É preciso também se levar em conta a capacidade de mobilização dos movimentos sociais e demais entidades da sociedade civil para “empurrar o governo para a esquerda”, já que seus rumos estarão sempre em disputa.

Nesta conta entra ainda uma variável relevante: se conquistar a vitória no primeiro turno, o capital político de Lula será maior para levar adiante mudanças estruturantes e de forte apelo popular.

Mas, tomando a realidade como a medida de todas as coisas, o futuro governo Lula, por exemplo, deve mexer nos pontos da reforma trabalhista do golpista Temer que retiraram direitos e conquistas da CLT, mas não ajuda fazer greve de três meses, como os professores universitários durante o governo Dilma.

Abre parênteses: causa estranheza que sob Temer e  as trevas bolsonaristas não se tem notícia de nenhuma greve expressiva no setor público. Fecha parênteses.

A democracia é igual à saúde. A gente só valoriza para valer quando perde. Sem prejuízo de sua combatividade e defesa intransigente dos direitos do povo, a banda mais radicalizada da esquerda fará muito bem ao Brasil se entender o caráter de reconstrução nacional que certamente o governo Lula adotará.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email