Uma política tão falsa como uma nota de três dólares

A visita da presidente da Câmara dos Deputados americana, Nancy Pelosi, a Taiwan

www.brasil247.com - Nancy Pelosi
Nancy Pelosi (Foto: Reuters)


Por Raimundo Rodrigues Pereira

Os americanos sabiam dos riscos que corriam com a visita feita entre a noite da última quarta-feira, dia 3, e a manhã do dia seguinte, à ilha de Taiwan pela deputada Nancy Pelosi, presidente da Câmara de Deputados dos EUA. Ela foi recebida pela governadora da ilha, Tsai Ling Wen. E, tanto os americanos sabiam da gravidade e das eventuais consequências desse ato que, no final de julho, quando se confirmaram as negociações para a atual visita de Pelosi, deslocaram 20% de sua frota de  superbombardeiros especiais - que carregam armas nucleares e têm recursos de proteção contra identificação por radar – de outros locais onde estavam no Pacífico, para a Austrália. A operação terá reduzido em mais da metade o tempo que eles levarão para chegar a Taiwan, caso seja necessário.  

Além disso, deslocaram das proximidades do Japão para o mar do sul da China, o porta-aviões Ronald Reagan. No extremo sul desse mar, como se sabe, está o estreito de Málaca, a rota de passagem de um dos maiores fluxos de comércio do mundo, do petróleo e de bens industrializados, entre o Oriente Médio do lado subdesenvolvido e a China e o Japão industrializados.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Não foi a primeira vez que um evento semelhante ocorreu. Em 1995, Li Teng Hui foi recebido nos EUA como presidente de Taiwan em busca do mesmo apoio diplomático, financeiro e militar dos EUA que Tsai Ling Wen buscou agora, com a recepção a Pelosi. A China, então como agora, protestou com armas. Só que a China de hoje, cerca de um quarto de século depois, é outra. A Folha de S. Paulo, comentando entrevista do porta-voz do Conselho de Segurança Nacional dos Estados Unidos disse que as atuais operações militares da China na quarta e na quinta, na chegada e na partida de Pelosi, já eram “o maior exercício de tiro com munição real” na história do estreito entre a China continental e Taiwan.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A questão de fundo , no entanto, é que a política americana em relação à China é falsa como uma nota de três dólares. Por um lado diz que reconhece a China como um só país. Por outro, apoia diplomática, financeira - e militarmente, destaque-se - um de seus estados.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Uma comparação: como se sabe, os Estados Unidos chegaram a deslocar sua frota no Atlântico para o sul, quando eclodiu no Brasil o golpe militar de direita que depôs o presidente João Goulart; imagine que o golpe tivesse fracassado, que Brasil fosse socialista desde então mas, protegida pelos americanos, a direita governasse um estado, a quem os EUA dariam, como fazem em relação a Taiwan, apoio político, diplomático, financeiro e militar!

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email