Vitória nos vetos tem assinatura de Dilma

"O resultado da votação sobre os vetos mostrou que o governo possui um grau razoável de controle sobre sua base no Congresso, desmentindo a visão de fim de feira que tem sido construída por veículos de comunicação que confundem a realidade com seus desejos", afirma Paulo Moreira Leite, diretor do 247 em Brasília; ele conta que a própria presidente Dilma Rousseff foi ao telefone para discutir o que fazer com os principais líderes do PMDB; "Os votos de ontem foram o indispensável batismo de fogo para a reforma ministerial de um governo que precisa ser reconstruído, para defender um mandato legítimo contra aventureiros e golpistas que só respeitam a democracia quando ela beneficia suas conveniências", afirma

"O resultado da votação sobre os vetos mostrou que o governo possui um grau razoável de controle sobre sua base no Congresso, desmentindo a visão de fim de feira que tem sido construída por veículos de comunicação que confundem a realidade com seus desejos", afirma Paulo Moreira Leite, diretor do 247 em Brasília; ele conta que a própria presidente Dilma Rousseff foi ao telefone para discutir o que fazer com os principais líderes do PMDB; "Os votos de ontem foram o indispensável batismo de fogo para a reforma ministerial de um governo que precisa ser reconstruído, para defender um mandato legítimo contra aventureiros e golpistas que só respeitam a democracia quando ela beneficia suas conveniências", afirma
"O resultado da votação sobre os vetos mostrou que o governo possui um grau razoável de controle sobre sua base no Congresso, desmentindo a visão de fim de feira que tem sido construída por veículos de comunicação que confundem a realidade com seus desejos", afirma Paulo Moreira Leite, diretor do 247 em Brasília; ele conta que a própria presidente Dilma Rousseff foi ao telefone para discutir o que fazer com os principais líderes do PMDB; "Os votos de ontem foram o indispensável batismo de fogo para a reforma ministerial de um governo que precisa ser reconstruído, para defender um mandato legítimo contra aventureiros e golpistas que só respeitam a democracia quando ela beneficia suas conveniências", afirma (Foto: Paulo Moreira Leite)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

A manutenção dos vetos que evitam a  explosão do caixa do governo leva uma assinatura: Dilma Rousseff.

O alívio permitido por uma votação que chegou à madrugada ajuda a recordar, em primeiro lugar,  uma verdadeira amarga.

De uns tempos para cá o país tem prestado atenção demasiada a analistas que, situados em grandes meios de comunicação,  confundem seus desejos com a própria realidade, ajudando a criar um clima de tensão e desânimo  sem necessidade. Atuaram como aqueles correspondentes de guerra que, como se descreve na sátira O Furo!, de Evelin Waugh, cobrem um conflito num ponto remoto da África colonial sem deixar o bar e o uísque do hotel.

O resultado da votação não foi nenhuma vitória inesquecível para o Planalto. Mas o resultado mostra que bastava uma tentativa honesta de apurar as conversas entre o governo e sua base para entender que a vitória do governo era a opção mais provável e que o apocalipse era um pesadelo agravado por projetos interesseiros. 

Mas: para quê mostrar cautela e prudência  quando o que interessa é alimentar o clima de que tudo vai dar errado e que o governo já acabou?

O roteiro da votação é conhecido e mostra, na verdade, que o governo tem aliados, em particular no PMDB, que lhe permitem exercer um certo controle sobre a situação política. Também mostrou, numa hora mais do que decisiva, que a aliança que venceu em outubro de 2014 pode passar por vários tremores, tumultos e conflitos, mas não é um edifício condenado definitivamente.

Não é uma baderna sem remédio, como se sugeriu.

O Planalto decidira adiar a decisão, convencido de que era melhor não desperdiçar munição sem necessidade. Depois que o dólar atravessou a marca dos R$ 4, a presidente foi ao telefone e conversou pessoalmente com os grandes caciques do PMDB para pedir que partissem para a votação.  

O governo está aliviado, na manhã de hoje, e o país também.

Salvo inveterados inimigos da democracia, a ninguém interessava fechar o caminho para se obter um certo nível de pacificação política, indispensável para qualquer projeto de recuperação da economia, seja lá quando isso possa vir a ocorrer.

Os votos de ontem foram o indispensável batismo de fogo para a reforma ministerial de um governo que precisa ser reconstruído, para defender um mandato legítimo contra aventureiros e golpistas que só respeitam a democracia quando ela beneficia suas conveniências.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247